Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

6 de abr de 2007

O caráter popular no coração caipira de Jackson Antunes

Cantor, compositor e ator, Jackson é um brasileiro cujo compromisso com a cultura nacional se fundamenta numa muito forte ligação com as manifestações da região onde nasceu। Mesmo trabalhando há 14 anos na televisão — meio de comunicação conhecido por ditar modismos e impor o matiz imperialista em tudo o que faz, Jackson prefere apenas dizer que prefere manter seus pés no chão para evitar certos equívocos que costumam lançar o artista no pântano.

Jackson Antunes nasceu em Janaúba, uma cidadezinha mineira a 700 km de Belo Horizonte, à beira do rio Gororoba, quase na divisa com a Bahia, cujo povo costuma se dizer baianeiro, “baiano cansado”, tamanha a influência recebida da vizinhança। Téo Azevedo, seu conterrâneo, é uma das maiores referências para o norte das Minas Gerais e para o Brasil “cantadô” e aboiador. Outro conterrâneo famoso é o saudoso José Coco do Riachão, que, segundo Jackson, passou a ser conhecido na Alemanha como o Beethoven do Sertão, desde que uma TV alemã o incluiu num especial de música filmado em Montes Claros. Esses talentos evidenciam que não faltam grandes artistas neste país. O problema é que também não faltam intenções imperialistas (e pelegas) para sufocar a nossa poderosa arte.
Leia a reportagem completa AQUI

Um comentário:

LuDornelas disse...

Vi essa reportagem sobre o Jackon Antunes qdo procurava algo sobre esse nosso renomado conterrâneo, em um jornal de SP e fiquei assustada.
Mas não esperava q algum mineiro reeditaria isso sem consertar tantos erros numa só entrevista, Luis Carlos.
Janaúba há 700km de BH?Aff!! E espinosa, onde fica?
Rio Gororoba?Que "gororoba é essa? Que falta de respeito com o nosso mais ilustre e honroso patrimônio?
"_O nosso Rio GORUTUBA."