Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

11 de abr de 2007

Governador Aécio Neves ignora os pobres de Minas

Mesmo tendo sido reeleito com um número significativo dos votos dos mineiros, principalmente da classe miserável, o governo tucano virou as costas para este povo pobre de tudo. Há mais de dois meses, o governador Aécio menospreza o movimento grevista dos Defensores Públicos do Estado. Com isso, quem fica prejudicado é justamente quem não tem condições de arcar com honorários advocatícios. No mês passado, na tentativa de chamar a atenção do governo estadual e iniciar as negociações visando o fim da greve, os Defensores Públicos de Minas Gerais protocolaram, no Palácio dos Despachos, cerca de quatro mil cartas destinadas ao governador Aécio Neves. De acordo com a Associação dos Defensores Públicos do estado (Adep/MG), as cartas foram enviadas por diversas famílias carentes, reivindicando o fim do impasse. Segundo o presidente da Adep/MG, Eduardo Cyrino Generoso, a associação quis chamar a atenção do governo, mostrando as dificuldades que a população de baixa renda está enfrentando com a greve dos defensores. Foram mais de quatro mil cartas. As pessoas carentes precisam dos defensores públicos e isso ficou claro nas mensagens ao governador. É preciso que essa situação seja resolvida o mais rápido possível, comentou. Eduardo Generoso, explicou que o governo estadual ainda não apresentou uma proposta de reajuste salarial para a categoria desde o início das paralisações, em janeiro. Os defensores reivindicam a fixação dos subsídios e um piso salarial de R$ 10 mil - hoje ele é de R$ 4 mil. A associação espera que os vencimentos se equiparem ao dos defensores públicos federais, cujo piso salarial é de R$ 10,5 mil.
Engraçado nisso tudo, é que ninguém tem coragem de denunciar este abuso. Não sai uma linha sequer na imprensa. Prova que a imprensa mineira fala realmente, o que o governador manda.

Nenhum comentário: