Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

31 de ago de 2008

Lula vai perdoar dívida de até R$ 10 mil com União

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai encaminhar ao Congresso, nos próximos dias, uma medida provisória que perdoa dívidas individuais de até R$ 10 mil com a União (valor atualizado), contraídas antes de 2002. A informação é do líder do PSB no Senado, Renato Casagrande (ES). A decisão foi comunicada ontem na reunião do Conselho Político, no Palácio do Planalto.
O objetivo é fazer uma limpeza em 2,1 milhões de processos, que equivalem a 18% dos processos movidos pela União, mas representam apenas 0,28% do valor que o governo têm a receber - R$ 3,6 bilhões de um total de R$ 1,3 trilhão. Segundo Casagrande, Lula disse no encontro que é incompetência do governo deixar uma dívida de R$ 400 chegar a R$ 10 mil.
As dívidas posteriores a 2002 e superiores a R$ 10 mil serão tratadas em projetos de lei que estabelecerão novos modelos de negociação. A idéia é que essas negociações sejam conduzidas diretamente com os devedores, por instituições financeiras federais como Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.
Segundo Casagrande, o objetivo é "estabelecer uma negociação amigável" com os pequenos devedores. Ele disse ainda que o presidente apresentará, no próximo dia 28, relatório com todos os investimentos contratados pelo governo que ainda serão iniciados e os que já estão sendo executados. A apresentação será feita em solenidade com ministros e parlamentares no Palácio do Planalto.

30 de ago de 2008

Patrus governador

O ministro do desenvolvimento social e combate a fome Patrus Ananias, descartou hoje, 30, em Montes Claros, sua candidatura ao palácio do planalto. “Apóio o candidato ou candidata que o presidente Lula indicar. Mas ao governo de Minas, meu nome estará à disposição do Partido dos Trabalhadores”.

29 de ago de 2008

PATRUS ANANIAS NA CAMINHADA DE ATHOS

O ministro Patrus Ananias estará amanhã, 31, a partir das 8 horas, participando de uma caminhada pelo Centro de Montes Claros, acompanhado pelo prefeito Athos Avelino, pelos deputado André Quintão e Leonardo Monteiro, pelo delegado do Ministéiro do Desenvolvimento Agrário, Rogério Correa, pelo superintendente Regional do Incra, Adelmo Carneiro Leão e pelos candidatos a vereadores do PT, jantamente com os militantes petistas e pepesistas.

Jô Moraes será a pedra no sapato do projeto político de Aécio e Pimentel para 2010

Tem cheiro estranho no ar
Estranha a pesquisa eleitoral em BH, realizada nos dias 21 e 22 de agosto pelo Datafolha, onde registra 21 pontos para Lacerda, o canditado apoiado pelo PSDB e pela direita do PT, uma vez o instituto CP2/Datatempo, realizou um dia antes, ou seja, dia 20 de Agosto, mostrando que o candidato de Aécio tinha apenas 8,68% das intenções de votos, enquanto Morais liderava com folga a preferência do eleitorado de BH.
Todo cuidado é pouco. Para não atrapalhar o projeto político de Aécio e Pimentel para 2010, a candidatura de Moraes será metralhada de todas as formas pelas duas máquinas que estão nas mãos de Lacerda, inclusive com pesquisas mentirosas.

28 de ago de 2008

E aí, seu doutor

*Juarez Campos

E aí,
Minha formação cristã, moral, ética e a própria vida, em si, ensinaram-me a não julgar os outros. Mesmo porque, como disse Horácio, o homem "Desdenha o que pediu, volta ao que largou e, sempre hesitante, contradiz-se sem cessar.". Em 1 João 2.21 está escrito: "...mentira alguma jamais procede da verdade.". Portanto, aqui não se trata de julgamento, apenas reminiscências afloradas pelos programas eleitorais.
Seu doutor?,
quer dizer que, como relatou em programa eleitoral, o candidato de agora resolveu "lutar" contra o Governo Militar depois que esse acabou em 1985?, ano em que o General Figueiredo entregou o poder a um civil, no dia 15 de abril? O fato revelado, sobre o Banco do Brasil aconteceu em 1987, já com dois anos de governo civil e a "Abertura" praticamente consolidada e preparando-se para as eleições diretas.
Em 1979 também eu estive em Ouro Preto. Houve, realmente, um Encontro da UEE e UNE, mas para comemorar e manifestar-se sobre o seu retorno, pois havia sido extinta anos antes. Eu era freqüentador assíduo das Repúblicas em Ouro Preto, festivais, encontros etc.. No mesmo dia encontros semelhantes realizaram-se pelo Brasil, como, por exemplo, em Salvador, com José Serra discursando. Em Ouro Preto, a principal palestrante foi Doralina Rodrigues, uma das fundadoras, presidente e depois cassada, da União dos Estudantes de Minas Gerais – UEE-MG.
Embora recheada de protestos, palavras de ordem etc., Doralina arrematou seu discurso de quatro laudas datilografadas, afirmando: "...sim, os estudantes brasileiros, como de resto todo o povo brasileiro, querem tomar de assalto o céu do Brasil..." . Em momento algum disse para assaltarem o Banco do Brasil pela "luta contra a ditadura".
Com todo respeito aos que ali estavam, realmente, por um ideal, a maioria estava interessada, mesmo, era nas farras em Repúblicas ou bares pela cidade, que eram ótimas naquela época. E o pior, esse 21 de abril (?) foi de 1979, e a parte do agora candidato nessa "luta" contra a ditadura só viria ocorrer quase 10 anos depois, em 1987??? ou simplesmente, com retardo, entendeu errado a frase do discurso de Doralina? É muito desrespeito para com aqueles que de fato e com muito sacrifício lutaram contra o regime de então. É gritar, em alto e bom som, vocês são todos uns idiotas desmemoriados!! Eu não aceito esse rótulo. E, mais do que ele, eu também vivi a história recente do País, fiz minha parte, continuo fazendo, mas sem ser dono de coisa alguma, mas tenho respeito e consciência. Limpa, assim como a minha conta bancária...

*Juarez Campos é jornalista

CASO NOVOJORNAL Um esqueleto no armário

Por Marco Aurélio Carone

"Quando se busca o entendimento de determinados acontecimentos é regra necessária retroagir no tempo para encontrar e entender os verdadeiros motivos do ocorrido no presente."
Após desligar o telefone celular que me informara que uma promotora – acompanhada de uma dezena de policiais, dois fardados e o restante em traje civil – acabava de entrar na redação do portal
Novojornal para cumprir um mandado de busca e apreensão, veio-me a mente meus 10 anos de idade, na solidão de um colégio interno no interior de Minas Gerais, indagando ao padre Henrique, um salesiano franzino e de fala baixa, sobre o que estava acontecendo no mundo real, fora da fortaleza do Colégio Dom Bosco, instalado no antigo quartel da cavalaria da guarda imperial portuguesa, onde serviu o alferes Tiradentes, em Cachoeira do Campo, na época distrito de Ouro Preto. Estávamos no período conturbado que antecedeu o golpe de 1964. Dentre outros ensinamentos, aprendi com o padre Henrique o método reproduzido na epígrafe deste texto.

humor no horário eleitoral

Veja alguns Slogans de candidatos em Montes Claros
O candidato a vereador Júnior de Afrânio apareceu no programa eleitoral gratuito mostrando uma samambaia, pedindo ao povo para não confundir ele com o Júnior Samambaia. Jacinto do HU apareceu com o slogan: Jacinto que vai dá certo. Teve outro que apareceu pregando voto nulo, porque seu apelido é ninguém: “vote em ninguém”. Sem falar em Gama que fica enrolando a língua: “Montes Craros, crariou...” Sãozinha de Lindicho quando terminar a campanha vai ficar Doentinha de Lindicho. Só tá o caco. Tem um morto de fome do PSTU que apareceu com o seguinte slogan: Dom Guloso. Ângela da capoeira deveria se chamar Ângela do caratê. Ela aparece na TV dando murro. Hilário Bispo pede para voltar a época da turma da baderna, do desaba, dos belezas... Apareceu no horário gratuito dizendo: “chega de segurança!”. Fábio Novaes pede o voto para vereador que ele vira presidente. Já o candidato a prefeito do PSOL, Tiago Nascimento, aderiu ao movimento gay. “Essa luta só enfrenta quem agüenta”. Tô fora!
Veja outros Slogans de candidatos espalhados por este país afora
Rola Bosta Candidato do Piaui - Não vote em quem Enrola e Gosta, vote em Rola Bosta
Guilherme Bolsas, com o slogan:' Chega de malas, vote em Bolsas.' Grito de guerra do candidato Lingüiça, lá de Cotia (SP): 'Lingüiça Neles!' Em Descalvado (AL) tem uma candidata chamada Dinha, cujo slogan é: 'Tudo Pela Dinha.' Em Carmo do Rio Claro tem um candidato chamado Gê. 'Não vote em A, nem em B, nem em C; na hora H, vote em Gê.' Em Hidrolândia (GO) tem um candidato chamado Pé. 'Não vote sentado, vote em Pé.' E em Piraí do Sul tem um gay chamado Lady Zu. 'Aquele que dá o que promete.' A cearense chamada Debora Soft, stripper e estrela de show de sexo explícito. Slogan: 'Vote com prazer!'
Candidato a prefeito de Aracati (CE): 'Com a minha fé e as fezes de vocês, vou ganhar a eleição.' Em Mogi das Cruzes (SP) tem um candidato chamado Defunto:'Vote em Defunto, porque político bom é político morto!'
Em Lontra tem o candidato zói de priquito. Não vote na urna, vote no zói. De priquito.
Em Pintópolis tem o candidato Zé Cagão. Não vote em candidato corajoso. Vote em Cagão

Quem com ferro fere, com ferro será ferido

O ditado popular "Quem com ferro fere, com ferro será ferido" é usado quando uma pessoa quer se referir que as ações más das pessoas sempre voltarão para elas. E é justamente isso que anda acontecendo com Ruy Muniz. Seu jornal O Norte mente descaradamente, desinforma, ofende e "esquece" de ouvir o outro lado, como manda a lei de imprensa, justamente para proteger seu dono e porque sabe que a imprensa de Montes Claros é tudo farinha do mesmo saco. Aqui é proibido falar de narcotráfico, roubo de carga, pombo-correio... porque nesta terra de mãe Joana, ou melhor de Tiana, a verdade vira mentira e a mentira vira verdade. Quem rouba, mata e mente é endeusado.

Leia algumas das reportagens:

Assalto a Banco do Brasil levou Ruy Muniz para o Dops...

Justiça condena Ruy Muniz...

Império educacional sob suspeita...

Gratuidade para estudantes é usada para burlar a lei...

Ruy Muniz perde outra ação...

Muniz é multado pela justiça eleitoral...

Falhas na Soebras...
Promotor confirma denúncias...

DRT aponta irregularidades nas escolas da Soebras...

Leia mais:

Aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui ... chega! cansei.

27 de ago de 2008

População de Montalvânia se encanta com a magia do cinema

Um caminhão diferente, com a logomarca do Governo Federal, passa pelas ruas da cidade e o povo fica curioso. Muitos ainda sem entender o que está acontecendo. Dá uma volta por algumas ruas anunciando que "vai ter cinema na praça. De graça". O povo começa a comentar. O caminhão pára e homens descem equipamentos e cadeiras na praça Cristo Rei. Agora quase todos já sabem do que se trata. É a visita do caminhão itinerante do projeto Revelando os Brasis que está na cidade com exibição gratuita de vídeos.
O Circuito passa por 40 municípios com até 20 mil habitantes e por 21 capitais. Todas as sessões têm entrada franca, e contarão com uma tela de cinema medindo cinco metros de altura por oito metros de largura. Duzentas cadeiras serão disponibilizadas para acomodar a platéia. As cidades assistirão a uma programação com o vídeo realizado no município e mais três produções do projeto. Cada vídeo tem cerca de 15 minutos
O que é o Revelando os Brasis
É um projeto do Governo Federal/ Ministério da Cultura e tem por objetivo promover a inclusão e a formação audiovisuais por meio do estímulo à produção de vídeos digitais. Dirigido a moradores de municípios brasileiros com até 20 mil habitantes, o projeto contribui para a formação de receptores críticos e para a produção de obras que registrem a memória e a diversidade cultural do País, revelando novos olhares sobre o Brasil.
"... E agora Deixa-Vim"
Em sua segunda edição, no ano de 2006, Montalvânia participou do projeto com o conto "... E agora Deixa-Vim" de Antônio Horácio Salles, que, selecionado entre os 40 melhores do país, foi transformado em filme, realizado na própria cidade, com atores locais. O curta metragem de 15 minutos foi um dos quatro representantes do estado de Minas Gerais e foi exibido em rede nacional através do canal Futura. Agora, toda a população tem a oportunidade de apreciar o filme representante do município em uma tela de cinema e de graça.
Encantamento
E a cidade parou para assistir a história do cavalinho que virou lenda. Timidamente as pessoas começam a chegar. Logo as cadeiras estão todas lotadas. Começam apresentações culturais que representam a identidade do município. Muitos aplausos. Chega a hora mais esperada. O telão desperta os mais inusitados olhares. Começa a ser projetado o primeiro filme realizado em Montalvânia. Um momento histórico. Todos se emocionam. Ao9 final muitos apalusos e gritos de bis. Outros filmes são exibidos e todos ficam de olhos arregalados diante da imensa tela. É a magia do cinema que encanta a todos.
Montalvânia sai mais rica depois dessa exibição. Muitos que nunca entraram em um cinema tiveram a oportunidade do contato com a sétima arte. E o município ficará marcado para sempre. Dia 26 de agosto foi o dia que o cinema veio até a cidade, oferecer aos moradores cultura, diversão, beleza, encantamento. Tudo de graça. E o melhor, numa produção da própria cidade, escrita por um morador e realizada pela comunidade. Um dia que jamais será esquecido pela população.
Fonte: ASCOM – PREFEITURA DE MONTALVÂNIA

26 de ago de 2008

JN usa Ruy no jogo de Tadeu

O Jornal de Notícias desta terça-feira, 26, dedicou generoso espaço na página 4, com direito a chamada de primeira página, para atender interesses do candidato do Demo, Ruy Muniz, à Prefeitura de Montes Claros. Alvo de uma série de matérias do jornal O Tempo, Muniz se utilizou de um veículo local para responder reportagem-denúncia feita por órgão de imprensa de Belo Horizonte, situação incomum e que dá margem a outras interpretações. A principal delas diz respeito ao posicionamento do JN na atual campanha eleitoral. Qual a intenção do jornal ao acolher candidamente a solicitação do representante do Demo?
À primeira vista, soa como desagravo responder à denúncia feita por outro jornal. O raciocínio lógico é de que a resposta deveria ser dada no O Tempo, se fosse o caso. O fato, por si só, já configura um mico. Para piorar, o JN confessa que já mantivera conversação com o ex-ladrão (existe isso?) do Banco do Brasil, dia 15 de agosto.
A resposta que não quer calar: o que está por trás da atitude do JN?
Desta vez, de onde partiu o fogo amigo?

Inferno astral – Reportagem de O Tempo continua denunciando Ruy

DENÚNCIAS
Falhas na Soebras
Delegacia Regional do Trabalho aponta falta de pagamento de salários e de depósito do FGTS para funcionários da associação educativa
A Associação Educativa do Brasil (Soebras), que segundo o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) é dirigida pelo deputado estadual Ruy Muniz (DEM), não deposita o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço dos (FGTS) dos empregados de oito escolas em Belo Horizonte, não paga o 13º salário, atrasa os pagamentos e não oferece condições de trabalho previstas em lei. É o que relata uma fiscalização feita pela Delegacia Regional do Trabalho (DRT) em unidades da Soebras na capital mineira, entre elas o Promove Serviços Educacionais. As irregularidades somam-se a diversas outras citadas no relatório que tem data de 11 de agosto de 2008. Como denunciou a reportagem no domingo, o deputado Ruy Muniz é suspeito de ter desviado R$ 100 milhões de recursos públicos por meio da entidade filantrópica Soebras, segundo levantamento de autoridades que o investigam.Em dezembro do ano passado, a DRT foi a campo após uma denúncia do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro) para averiguar as condições de trabalho nas empresas dirigidas por Muniz e ilegalidades cometidas pela Soebras. O resultado é assustador. São dezenas de irregularidades encontradas nas unidades. A principal delas diz respeito ao FGTS, que não é depositado. A Soebras tem deixado de depositar o FGTS de seus empregados. Outras irregularidades são trabalhar mais que a carga horária, deixar de realizar exame demissional e efetuar descontos indevidos nos salários . O relatório da chefe de setor de fiscalização do trabalho da DRT, Vivian Luiza Chechetto Chaves, traz oito páginas de infrações cometidas pela Soebras. Segundo o presidente do Sinpro, Gilson Reis, existem hoje 74 ações trabalhistas em andamento contra a entidade. Conforme Reis, no fim do primeiro semestre deste ano, os professores do Promove queriam entrar em greve e foi o próprio deputado que, apesar de dizer que está afastado da Soebras, quem negociou com os funcionários. O presidente do Sinpro contou que o salário dos professores foi reduzido em 50%.Reis ainda denuncia irregularidades na compra do Promove. Ele informou que o deputado começou a negociar a compra da instituição quando, "de forma suspeita", o patrimônio dela teria sido transferido para uma off-shore, cujo nome é Kevpex Internacional Ltda, situada na rua Juncal 1.327, em uma sala em Montevidéu, no Uruguai.Reis disse que encaminhou todos os documentos e indícios de irregularidades envolvendo a Soebras à Polícia Federal, em Belo Horizonte e em Brasília. "Transferiram o patrimônio do Promove para falar que ela estava falida", afirmou. "Ele pagou aos donos do Promove para assumir somente a marca e disse que não tem vinculação com o passivo trabalhista anterior." Gilson Reis disse ainda que nem mesmo o passivo trabalhista atual tem sido pago.
Perseguição é argumento
O deputado estadual Ruy Muniz (DEM) divulgou ontem uma nota afirmando serem falsas as acusações contra ele e a Associação Educativa do Brasil (Soebras). Ele disse que a instituição é alvo de fiscalizações porque é filantrópica. Muniz alega que não é dono da Soebras. Ele se diz “um associado atuante da instituição. Muniz afirma que está afastado da entidade porque exerce função parlamentar, mas elenca várias atividades desenvolvidas pela Soebras. Relatório do INSS e do Conselho de Assistência Social de Montes Claros garantem que o deputado é dirigente e dono da entidade. Muniz descredencia o relatório do INSS e afirma que a cassação da filantropia da Soebras teve motivação política. Ele disse que um o auditor do INSS possui pendências judiciais com a Soebras. No entanto, Muniz entrou na Justiça contra o auditor depois que o fiscal desvendou as irregularidades do grupo.
Tentativa de censura
O juiz da 185ª Zona Eleitoral de Montes Claros, Gilmar Clemente de Souza, indeferiu ontem ação impetrada pelo deputado estadual Ruy Muniz (DEM), que propunha a proibição de circulação dos jornais O TEMPO e Super Notícia em Montes Claros.O motivo da ação são reportagens publicadas domingo e ontem nos jornais, destacando apurações que a Polícia Federal, o INSS e o Ministério Público vêm realizando em empresas lideradas pela Soebras. Em seu despacho, o juiz acatou parecer do Ministério Público Estadual contra o pedido do deputado, salientando que a proibição da circulação dos jornais configuraria censura prévia, o que contraria a Constituição Federal.
O juiz frisou que se as reportagens são ofensivas, cabe ao parlamentar pedir na Justiça o direito de resposta.
Fonte: O Tempo

25 de ago de 2008

Campanha Eleições Limpas - Justiça Eleitoral mineira promove encontros entre juízes e população

A Justiça Eleitoral mineira promove, amanhã, dia 26 de agosto, uma série de encontros que marcam o Dia Nacional das Audiências Públicas. Nesta data, juízes eleitorais de Montes Claros Danilo Campos, Gilmar Clemente de Souza, Antônio Adilson Salgado Araújo e Frederico do Espírito Santo Araújo participam de audiências públicas ampliando o debate e a reflexão sobre o papel dos eleitores no processo eleitoral.
Os encontros fazem parte da Campanha Eleições Limpas, uma parceria do Tribunal Superior Eleitoral e a Associação dos Magistrados Brasileiros, que tem alcance nacional. Segundo o presidente do TRE-MG, desembargador Almeida Melo, essas atividades visam a colaborar na conscientização do eleitorado, para que esse possa “emitir o seu voto de modo livre, consciente e responsável”.
Nas audiências, os juízes vão falar diretamente com a população sobre o comportamento ético e fiscalizador do cidadão ao votar e mostrar a importância da formação de um eleitor consciente, além de alertar para os riscos a que os eleitores estão expostos, como coação econômica e ameaças de demissão em troca de votos. Neste canal de diálogo aberto, a população poderá tirar dúvidas diretamente com o juiz eleitoral.
Serão distribuídas cartilhas de esclarecimento ao eleitor sobre a atuação da Justiça Eleitoral, a segurança do voto, a importância do voto consciente e o que fazer para denunciar possíveis irregularidades. A Cartilha do Eleitor – Eleições Limpas foi editada pela Associação dos Magistrados Brasileiros com apoio do Tribunal Superior Eleitoral.

Jornal O Tempo continua com a reportagem sobre Ruy Muniz

Assalto a Banco do Brasil levou Ruy Muniz para o Dops

Deputado diz que ação foi em favor da resistência à ditadura militar



Amália Goulart
Tido em Montes Claros, no Norte de Minas, como o "Bill Gates da educação", o deputado estadual Ruy Muniz (DEM) começou a adquirir seu patrimônio em um assalto ao Banco do Brasil, em Belo Horizonte. Teria sido o primeiro dinheiro ilícito adquirido por ele em sua carreira. O roubo aconteceu em 1987. Então estudante, Muniz e seu comparsa, Setembrino Lopes, arquitetaram um golpe que resultou no desfalque de R$ 1 milhão dos cofres públicos. Ele ficou pouco mais de um ano preso.Naquela época, pagamentos de prefeituras que tinham contas no Banco do Brasil eram feitos por meio do telex. A prefeitura encaminhava um telex com sua senha e o banco realizava o pagamento.Setembrino, que era funcionário do Banco do Brasil, conseguiu a senha da Prefeitura de Janaúba, também no Norte de Minas. Eles foram à cidade, alugaram um equipamento de telex e enviaram um documento para a agência central do Banco do Brasil, na capital mineira, com uma ordem de pagamento equivalente hoje a cerca de R$ 1 milhão em nome de Luiz Roberto de Souza Marques, nome fictício inventado pelos assaltantes. Muniz se apresentou como Luiz Roberto e conseguiu sacar o dinheiro. Ele aplicou sua parte no roubo. Poucos dias depois do crime, seus comparsas foram presos e o entregaram. O deputado foi detido no Departamento de Ordem Política e Social (Dops) onde passou pouco mais de um ano. Quando aplicou o golpe ele era suplente de deputado pelo PT. Depois de cumprir pena, Muniz retornou a Montes Claros onde deu início à sua carreira política e empresarial. O golpe é história corriqueira em Montes Claros. Na cidade, Muniz é quase uma figura folclórica. As faculdades e colégios aos quais ele é ligado são um dos maiores empregadores do município. Moradores da região que tiveram ou têm contato com o parlamentar dizem que ele é extremamente inteligente e possui um grande poder de persuasão. "Ele consegue convencer qualquer um. Tem uma lábia impressionante", disse uma fonte que preferiu não se identificar. Quando o assunto é a história do roubo ao Banco do Brasil, os eleitores de Montes Claros dizem que Muniz conta que o golpe teve motivação política: foi um instrumento utilizado para combater a ditadura militar. Porém, todo o dinheiro ao qual o deputado teve acesso foi aplicado, uma parte na compra de dólares, como revelou a polícia na época. Além das acusações de sonegação fiscal, previdenciária, evasão de divisas, falsidade ideológica, fraude a licitação e crime eleitoral, pesa contra Muniz um inquérito na Polícia Federal por calúnia, injúria e difamação. Resposta. Apesar disso, o deputado afirmou em entrevista no sábado que não responde a inquérito policial. Ele também nega que existam processos em seu nome. Muniz acredita que todas as acusações que fazem contra ele têm motivações políticas[/TEXTO_NORMAL]. Ontem, a reportagem tentou ouvi-lo cinco vezes sobre sua prisão e deixou, inclusive, recado em seus celulares. Na primeira vez, a ligação foi atendida por um homem que se identificou como assessor do deputado e que informou que Muniz não poderia falar. Nas outras tentativas, a ligação caiu na caixa postal.
Serviços
Ação beneficente entre irmãos
O deputado estadual Ruy Muniz (DEM) é acusado de repassar R$ 116 mil da Associação Educativa do Brasil (Soebras) para seu irmão Moysés Jackson Borges Muniz. De acordo com auditoria realizada pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a empresa de Moysés, que também é sócio da Soebras, recebeu o dinheiro para prestação de serviços que nunca foram realizados. O irmão de Muniz é dono da empresa Marco Inicial, contratada pela Soebras.Os recursos repassados a ele seriam destinado à reforma de uma das unidades da entidade filantrópica. Em um documento entregue aos auditores do INSS pela Soebras, ele confessa que realmente não houve prestação de serviços por parte da Marco Inicial. A entidade não apresentou à Previdência projeto arquitetônico da obra, alvará de licença e Anotação de Responsabilidade Técnica, documentos essenciais para a realização de reformas de grande porte. Os fiscais do INSS também não localizaram registro relativo à obra no Conselho Regional de Engenharia (CREA), INSS e na prefeitura. "Se os pagamentos foram feitos, mas os serviços não foram efetivamente prestados houve então uma transferência indevida de recursos, sem nenhuma contrapartida para a Soebras da Construtora Marco Inicial, empresa com personalidade jurídica própria. Ou seja, através deste expediente, em tese a Soebras distribuiu vantagem pecuniária ao seu sócio Moysés Jackson Borges Muniz." (AG)
Briga por herança
Ruy Muniz entrou na Justiça há cerca de dez anos pedindo o reconhecimento de paternidade por parte do ex-prefeito de Montes Claros Mário Ribeiro. O deputado foi registrado e criado por Sebastião Muniz, marido da sua mãe, Januária Borges. A ação não obteve sucesso.
Na contestação, Ribeiro disse que Muniz estava interessado em seu patrimônio e na possibilidade de receber herança. Em sua defesa, Ribeiro sugere golpismo de Muniz. "É público e notório que Ruy Muniz era dado a ter como princípio de fé não pagar dívidas." (AG)

24 de ago de 2008

Carta aberta para Renato Aragão, o nosso Didi

Quinta, 23 de agosto de 2007.
Querido Didi,
Há alguns meses você vem me escrevendo pedindo uma doação mensal para enfrentar alguns problemas que comprometem o presente e o futuro de muitas crianças brasileiras. Eu não respondi aos seus apelos (apesar de ter gostado do lápis e das etiquetas com meu nome para colar nas correspondências). Achei que as cartas não deveriam sem endereçadas à mim. Agora, novamente, você me escreve preocupado por eu não ter atendido as suas solicitações. Diante de sua insistência, me senti na obrigação de parar tudo e te escrever uma resposta. Não foi por "algum" motivo que não fiz a doação em dinheiro solicitada por você. São vários os motivos que me levam a não participar de sua campanha altruísta (se eu quisesse poderia escrever umas dez páginas sobre esses motivos). Você diz, em sua última carta, que enquanto eu a estivesse lendo, uma criança estaria perdendo a chance de se desenvolver e aprender pela falta de investimentos em sua formação. Didi, não tente me fazer sentir culpada. Essa jogada publicitária eu conheço muito bem. Esse tipo de texto apelativo pode funcionar com muitas pessoas mas, comigo não. Eu não sou ministra da educação, não ordeno as despesas das escolas e nem posso obrigar o filho do vizinho a freqüentar as salas de aula.
A minha parte eu já venho fazendo desde os 11 anos quando comecei a trabalhar na roça para ajudar meus pais no sustento da família. Trabalhei muito e, te garanto, trabalho não mata ninguém. Estudei na escola da zona rural, fiz supletivo, estudei à distância e muito antes de ser jornalista e publicitária eu já era uma micro empresária. Didi, talvez você não tenha noção do quanto o Governo Federal tira do nosso suor para manter a saúde, a educação, a segurança e tudo o mais que o povo brasileiro precisa. Os impostos são muito altos !
Sem falar dos impostos embutidos em cada alimento, em cada produto que preciso comprar para minha família. Eu já pago pela educação duas vezes: pago pela educação na escola pública, através dos impostos, e na escola particular, mensalmente, porque a escola pública não atende com o ensino de qualidade que, acredito, meus dois filhos merecem. Não acho louvável recorrer à sociedade para resolver um problema que nem deveria existir pelo volume de dinheiro arrecadado em nome da educação e de tantos outros problemas sociais. O que está acontecendo, meu caro Didi, é que os administradores, dessa dinheirama toda, não tem a educação como prioridade. O dinheiro está saindo pelo ralo, estão jogando fora, ou aplicando muito mal. Para você ter uma idéia, na minha cidade, a alimentação de um presidiário custa para os cofres públicos R$ 3,82 (três reais e oitenta e dois centavos) enquanto que a merenda de uma criança na escola pública custa R$ 0,20 (vinte centavos)! O governo precisa rever suas prioridades, você não concorda? Você diz em sua carta que não dá para aceitar que um brasileiro se torne adulto sem compreender um texto simples ou conseguir fazer uma conta de matemática. Concordo com você. É por isso que sua carta não deveria ser endereçada à minha pessoa. Deveria se endereçada ao Presidente da República.
Ele é "o cara". Ele tem a chave do cofre. Eu e mais milhares de pessoas só colocamos o dinheiro lá para que ele faça o que for necessário para melhorar a qualidade de vida das pessoas. No último parágrafo da sua carta, mais uma vez, você joga a responsabilidade para cima de mim dizendo que as crianças precisam da "minha" doação, que a "minha" doação faz toda a diferença. Lamento discordar de você Didi. Com o valor da doação mínima, de R$ 15,00, eu posso comprar 12 quilos de arroz para alimentar minha família por um mês ou posso comprar pão para o café da manhã por 10 dias. Didi, você pode até me chamar de muquirana, não me importo, mas R$ 15,00 eu não vou doar. Minha doação mensal já é muito grande. Se você não sabe, eu faço doações mensais de 27,5% de tudo o que ganho e posso te garantir que essa grana, se ficasse comigo, seria muito melhor aplicada na qualidade de vida da minha família.
Você sabia que para pagar os impostos eu tenho que dizer não para quase tudo que meus filhos querem ou precisam? Meu filho de 12 anos quer praticar tênis e eu não posso pagar as aulas que são caras demais para nosso padrão de vida.
Você acha isso justo? Acredito que não.
Você é um homem de bom senso e saberá entender os meus motivos para não colaborar com sua campanha pela educação brasileira. Outra coisa Didi, mande uma carta para o Presidente pedindo para ele selecionar melhor os professores. Só escolher quem de fato tem vocação para o ensino. Melhorar os salários, desses profissionais, também funciona para que eles tomem gosto pela profissão e vistam, de fato, a camisa da educação. Peça para ele, também, fazer escolas de horário integral, escolas em que as crianças possam além de ler, escrever e fazer contas, possam desenvolver dons artísticos, esportivos e habilidades profissionais. Dinheiro para isso tem sim ! Diga para ele priorizar a educação e utilizar melhor os recursos. Bem, você assina suas cartas com o pomposo título de Embaixador Especial do Unicef para Crianças Brasileiras e eu vou me despedindo assinando...
Eliane Sinhasique - Mantenedora Principal dos Dois Filhos que Pari
Leia + AQUI

Ruy Muniz é investigado por rombo de R$ 100 milhões

Deputado é alvo da Polícia Federal, Controladoria Geral da União e INSS

AMÁLIA GOULART
Um único deputado estadual pode ter desviado dos cofres públicos mais de R$ 100 milhões nos últimos dez anos. Ruy Muniz (DEM) é suspeito de ter montado um esquema criminoso que utiliza da filantropia em benefício próprio e de familiares. Em sigilo, a Polícia Federal (PF), a Receita Federal, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Controladoria Geral da União (CGU) estão fazendo uma devassa nas empresas do deputado. Muniz nega a acusação e se diz vítima de uma perseguição política, já que é candidato à Prefeitura de Montes Claros. O TEMPO teve acesso a documentos das investigações que mostram fortes indícios de envolvimento de Muniz. O esquema que ele teria montado tem ramificações em 22 Estados e tem como eixo a Associação Educativa do Brasil (Soebras). A entidade é filantrópica e mantém filiais espalhadas pelo país. Entre as instituições pertencentes à Soebras estão o Promove, a faculdade Kennedy e o Instituto Hilton Rocha. Todas as investigações das autoridades foram baseadas em auditorias realizadas pelo Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) na Soebras. Os relatórios da Previdência e os inquéritos da PF mostram que Muniz utilizava a entidade filantrópica para sonegar impostos, desviar recursos públicos, fraudar licitações e cometer crimes eleitorais. Ele responde ou respondeu, por meio de suas empresas, a mais de 200 processos judiciais e é investigado em cinco inquéritos da PF - sendo que em um deles já foi indiciado. Integrantes das equipes de investigação estão convencidos de que Ruy Muniz estaria preso se não fosse o foro privilegiado que o protege, já que é deputado estadual.Por ser uma entidade filantrópica, a Soebras está isenta do pagamento de impostos federais, estaduais e municipais conforme prevê o artigo 55 da lei 8.212/91. De acordo com as investigações, Ruy Muniz incluía na contabilidade da instituição várias empresas das quais é dono para sonegar os tributos que elas deveriam pagar. Ou seja, funcionários das empresas particulares de Muniz estariam recebendo pela Soebras. A entidade é suspeita ainda de ter contratado empresas ligadas a Muniz para a prestação de serviços que não teriam sido prestados. O deputado também é acusado de ter firmado convênios com o governo federal sem licitação ou com processo licitatório suspeito e de não ter comprovado alguns dos serviços prestados. A Soebras é dirigida por Muniz e familiares, entre eles um irmão e sua esposa. A entidade não poderia ter um dono, de acordo com a Constituição Federal, por ser filantrópica. No entanto, uma auditoria do Conselho Municipal de Assistência Social de Montes Claros, cidade onde a entidade foi fundada, comprova que o deputado é proprietário da associação, de suas filiais e unidades espalhadas pelo país. "Na verdade, o senhor Ruy Muniz é tido não apenas como dirigente, mas como dono de todas as entidades retro-mencionadas", afirma o documento. A diretoria da Soebras deveria ter sido eleita em assembléia, o que também não ocorreu, segundo relatório do INSS. "A entidade vem sendo administrada de fato pelo senhor Ruy Adriano Borges Muniz, embora ele jamais tenha sido, oficialmente, eleito para qualquer cargo", afirma o relatório. O deputado possui instituições de ensino em 22 Estados brasileiros.
Filantropia é só de fachada
A auditoria realizada pelo Instituto Nacional de Previdência Social (INSS) na Associação Educativa do Brasil (Soebras), que culminou na abertura de inquéritos da Polícia Federal para investigar o império do deputado Ruy Muniz, levou à perda do título de filantropia municipal da entidade. O Conselho de Assistência Social de Montes Claros, vinculado ao Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, fez uma nova auditoria na Soebras e constatou diversas irregularidades como sonegação fiscal, evasão de divisas e provas de que a entidade não cumpre o papel de assistência social, o que lhe garantiria o título de filantrópica e, por conseqüência, a livraria do pagamento de impostos. Apesar do cancelamento, a Soebras mantém a filantropia estadual e federal. Para não ser prejudicada com a decisão do conselho, ela está transferindo sua sede para Belo Horizonte a fim de recuperar o título de filantropia. (AG)
Fonte: O Tempo

23 de ago de 2008

Pimentécio - Márcio Lacerda sobe e empata com Jô Moraes em BH

A primeira pesquisa Datafolha realizada após o início do horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão, divulgada neste sábado (23), mostra que o candidato dos tucanos à Prefeitura de Belo Horizonte (MG), Márcio Lacerda, subiu 15 pontos percentuais em relação à pesquisa divulgada em 24 de julho e alcança 21% das intenções de voto.
Com isso, ele está tecnicamente empatado com a candidata do PC do B, Jô Moraes, que oscilou de 20% para 17%, dentro da margem de erro da pesquisa, que é de três pontos percentuais.
G1 / Folha Matéria Completa, ::Aqui::

Deputado do Demo propõe cota para o nepotismo

No dia seguinte à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) acabando com a prática do nepotismo no Legislativo, no Executivo e no Judiciário, já apareceu deputado procurando uma forma de atenuar a proibição por meio de aprovação de um projeto pelo Congresso. Seria uma espécie de cota para o nepotista, que poderia empregar um número limitado de parentes.
O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) disse não reconhecer a decisão do Supremo como uma determinação, mas uma sinalização para ser desdobrada no Congresso. Uma forma de romper essa proibição seria instituir uma cota de parentes que poderia ser contratada. "Se for cota, tem de ser uma cota pequena. Não se pode nomear a família toda", afirmou Aleluia. "A cota poderia ser de um", disse.
Contra a proibição do nepotismo, Aleluia argumenta que a adoção de um sistema rigoroso de contratação pública inviabiliza a administração de prefeituras de municípios pequenos. "Em cidades pequenas, de dez mil habitantes, todos são parentes", disse. "Há a necessidade de esgotar o tema. O Congresso tem de fazer a parte dele", afirmou Aleluia.
O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), no entanto, aplaudiu os ministros e deixou claro que não admitirá tentativas de burlar a súmula. Ele avisou que vai encaminhar a cópia da decisão do STF a todos os deputados para que eles cumpram "imediatamente" a determinação da Justiça. "Se tiver alguém imaginando isso (atenuar o fim do nepotismo), será um erro político dramático, e não fala em nome da Câmara. Não há espaço para isso. Se houver algum projeto nesse sentido, eu não coloco em votação no plenário. Temos de combater e acabar com o nepotismo", afirmou Chinaglia. "Aplaudo a decisão do Supremo e lamento o Congresso não ter aprovado (o fim do nepotismo) antes", disse. "O Supremo acertou. Representou a sociedade e a mim também", completou Chinaglia.
Desde setembro de 2005, está pronta para ser votada no plenário da Câmara a proposta de emenda constitucional (PEC) que proíbe a contratação de parentes até 3º grau nos três Poderes. No ano passado, a proposta entrou na pauta nos meses de agosto até dezembro, mas não foi votada. Neste ano, o fim do nepotismo voltou ao plenário em maio. Alguns líderes partidários consideraram o texto muito rigoroso e não queriam votar ou ameaçavam derrubar a proposta caso ela entrasse em votação. Para aprovar uma emenda constitucional é necessário o mínimo de 308 votos.
O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), relator da proposta, apontava o número em torno de 1.500 parentes contratados por deputados e por senadores no Congresso na época da aprovação do projeto na comissão especial em 2005.
Ele ressaltava a existência de um novo nepotismo. Muitos parentes de parlamentares eram contratados por empresas que mantinham contratos com o Legislativo. "O Supremo fez a lição de casa porque o Congresso foi incompetente", disse Faria de Sá. Para ele, o Supremo atendeu todos os pontos incluídos em seu relatório. Ele considera que não há necessidade mais de votação da proposta da Câmara, porque a decisão do STF não precisa de regulamentação.Desde o segundo semestre de 2006, por ato do então presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), e a partir de 2007 com a aprovação de uma resolução pelo plenário, está proibida na Câmara a contratação de parentes de até 2º de deputados, de senadores e de servidores em cargo de chefia nos cargos de natureza especial, os chamados CNEs.
A proibição não atingiu os secretários parlamentares, que são contratados pelos deputados em seus gabinetes. Cada deputado tem a verba de R$ 60 mil por mês para pagar até 25 secretários parlamentares

Mais uma vitória de Aécio na justiça mineira

O juiz Marcos Flávio Lucas Padula, da Comissão de Fiscalização da Propaganda Eleitoral da Capital, não aceitou a representação encaminhada pela candidata a prefeita Jô Morais ("Coligação BH é Você") contra o candidato Márcio Lacerda ("Coligação Aliança por BH"), por suposta propaganda irregular no programa do horário eleitoral gratuito que teve um depoimento do governador de Minas Gerais, Aécio Neves.
O PCdoB entrou com representação contra o programa do adversário no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), alegando irregularidade prevista no artigo 37 da Lei Eleitoral. Mas não será somente na esfera jurídica que o PT municipal terá que responder. Dissidentes petistas contrários à aliança informal com o partido tucano também acionaram a executiva nacional com o pedido de intervenção no PT municipal.

À espera do desempastelamento do Novo Jornal

O juiz José Ricardo dos Santos de Freitas Véras, ao acolher o pedido da Promotoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos, fez mais do que permitir o fechamento por um período de 15 dias do site do Novo Jornal. Ele autorizou a quebra do sigilo telefônico da empresa, autorizou o confisco de todo o conteúdo produzido pelos jornalistas que trabalham para Marco Aurélio Flores Carone, autorizou a censura (mais que prévia) definitiva de matérias de interesse público, e fez silenciar o único jornal que fazia oposição ao governo de Minas no Estado.
Não cabe a este jornalista, mas ao presidente do Tribunal de Justiça, a quem foi encaminhado, há dois dias, o mandado de segurança com medida de liminar urgente, decidir se o juiz agiu acertadamente ou não.
O juiz mineiro foi induzido a ignorar estes dois princípios básicos da Declaração de Chapultepec: "Nenhum meio de comunicação ou jornalista deve ser sancionado por difundir a verdade, criticar ou fazer denúncias contra o poder público".
E ainda: "A censura prévia, as restrições à circulação dos meios ou à divulgação de suas mensagens, a imposição arbitrária de informação, a criação de obstáculos ao livre fluxo informativo e as limitações ao livre exercício e movimentação dos jornalistas se opõem diretamente à liberdade de imprensa".
Leia a matéria completa AQUI no Tamos com Raiva

22 de ago de 2008

Bandido Ruy Muniz posa de “romântico”

Ladrão do Banco do Brasil e recordista em processos criminais e cíveis, por enriquecimento ilícito, o candidato do DEMO a prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz, se apresentou no programa eleitoral gratuito desta sexta-feira, 22, como um “ex-esquerdista romântico”.
Reafirmando sua já conhecida falta de caráter e de apreço à ética, deu uma explicação inverossímil e repulsiva ao rombo que causou ao BB e, por tabela, às economias do povo brasileiro. Subestimando a inteligência dos eleitores de Montes Claros, aos quais diz, com a maior cara-de-pau, que quer representar, disse que tudo não passou de uma atitude romântica de alguém de esquerda que estava lutando contra a ditadura e pelo bem do Brasil. “Era para dar aos pobres”, justificou. Se comparar com mártires da luta pela redemocratização do país, cujo desfecho vitorioso custou a vida de tantos, além de torturas e exílios, é uma atitude calhorda, de um moleque aventureiro e irresponsável, sem princípios e nenhum escrúpulo.
Se colocar no mesmo patamar de quem defendia uma causa pensando no bem do país e nas gerações futuras, de gente que, independentemente dos métodos que utilizava, tinha propósitos nobres e firmeza de sentimentos, é chegar ao cúmulo da falta de respeito.
Ao vomitar mentiras num horário em que as famílias se reúnem em frente à televisão para ouvir propostas dos candidatos, o senhor Ruy Muniz parece ter dado o pontapé inicial do “vale tudo” na campanha eleitoral.
Mentindo, quer assumir o papel de vítima. Quer sensibilizar enganando. Aposta que o eleitor é incauto. Que não sabe de sua verdadeira intenção quando roubou o Banco do Brasil. Que o fez em benefício próprio, como um reles ladrão, papel, este sim, que lhe cabe bem. O seu ato nada teve de “romântico”.
O que lhe inspirou não foi o desejo de lutar por um Brasil melhor, como o fizeram tantos heróis que reverenciamos e a quem devemos o estado de direito que vivemos hoje. Pelo contrário. Cinicamente, diz que se arrependeu, mas continua roubando. É um criminoso. Transitado e julgado. E é vocação dos criminosos continuar praticando crimes.
As falcatruas contra o INSS, por exemplo, são de arrepiar. O que dizer dos desvios praticados tendo como pano de fundo suas faculdades?. Excetuando o que ainda é segredo de Justiça, está tudo à disposição de quem quiser conferir. Qualquer cidadão pode ter acesso. São dezenas de ações tramitando contra Muniz, muitas delas trabalhistas.
É pública e notória sua aversão a pagar o que deve, inclusive para funcionários. Mas, não é só. São muitos os casos de credores que já se desesperaram ante os “canos” dados pelo pilantra que almeja ser prefeito de Montes Claros.
Há casos de pessoas que pensaram até em suicídio, vítimas dos prejuízos causados por Ruy Muniz. Outros, como o padre Murta, ícone da dignidade e um dos maiores intelectuais e educadores de Montes Claros, sofreram em silêncio. Padre Murta faleceu recentemente, doente e de desgosto, depois de ser torturado emocionalmente pelo episódio que envolveu a perda do prédio em que funcionava o Colégio São Norberto, de sua propriedade.
Foi enganado pelo estelionatário Ruy Muniz que, como fez em inúmeros outros casos, comprou o imóvel e não pagou. O que se está presenciando na campanha eleitoral é a tentativa de um bandido de enganar a população de Montes Claros. O que ele fez pode ser configurado como mais uma modalidade de crime do seu inesgotável arsenal. Só que desta vez, o crime é contra a boa fé das pessoas. Talvez esse, dado seu objetivo, seja o pior deles.
Quer saber mais sobre
Ruy Muniz? Acesse o Blog Quem é Ruy ou compre um exemplar do jornal O Tempo, no próximo domingo dia 24 e na segunda dia 25, para saber parte desta Coisa Ruim.

Caso Dantas é um dos “mais enigmáticos do país”

“Papéis trocados
Famoso por ter prendido o banqueiro Daniel Dantas, na Operação Satiagraha, o delegado federal Protógenes Queiroz passou à posição de vidraça. O novo depoimento prestado pelo empresário e professor universitário Hugo Sérgio Chicaroni, no dia 7 de agosto, muda completamente a versão de um dos casos mais enigmáticos do país. Protógenes, agora, é acusado de ter pedido dinheiro a Chicaroni para retirar Daniel Dantas e sua irmã Verônica da mira da Polícia Federal. Chicaroni disse que é amigo do delegado há pelo menos sete anos.
Segundo a Polícia Federal, logo depois de ser preso, no dia 8 de julho, Chicaroni afirmou que o dinheiro era do Opportunity e foi levado a ele por pessoas do grupo financeiro de Dantas para ser entregue a policiais. Depois, no primeiro depoimento à Justiça, ele permaneceu calado. No novo depoimento, Chicaroni afirma que não foi ele quem ofereceu dinheiro a policiais federais. Ao contrário. Ele diz que a soma inicial de R$ 50 mil, para mudar o curso das investigações, foi pedida pelo próprio delegado Protógenes.”
Claudio Julio Tognolli, Consultor Jurídico
Matéria Completa, ::Aqui::

Patrus entra na campanha de Montes Claros

Foto: Rogeriano Cardoso - Revista Tempo
GIRLENO ALENCAR - Jornal Hoje em Dia - Montes Claros
O ministro Patrus Ananias, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, abriu, ontem, em Montes Claros, a campanha política deste ano no Norte de Minas, quando esteve na cidade para participar do "Colóquio Internacional Sobre a Pobreza” e, depois, gravou o programa de televisão e rádio para o candidato a prefeito, Athos Avelino (PPS), atual prefeito que tem o petista Sued Kennedy como vice-prefeito. Porém, salientou que ainda não decidiu se gravará para o programa político de Jô Morais, candidata a prefeita do PC do B, em Belo Horizonte e com apoio de dissidentes do PT mineiro. Na eleição de 2004, Patrus Ananias esteve em Montes Claros por duas vezes, acompanhado do então ministro Nilmário Miranda, de Direitos Humanos, para a primeira campanha eleitoral do atual prefeito. (...)
Na entrevista à imprensa, ainda no Aeroporto, Patrus Ananias disse que todo final de semana estará fazendo campanha política nos municípios onde o PT está unido na eleição deste ano, independentemente de ser cabeça-de-chapa, conforme acordo que fez com a Direção Nacional do PT. Adiantou que, na primeira semana de setembro, estará em Montes Claros, Janaúba e Januária, no Norte de Minas; Virgem da Lapa, Araçuai e Itaobim, no Vale do Jequitinhonha, com os seus correligionáros, mas deixará de estar em Bocaiúva, sua cidade natal, onde o candidato Ricardo Veloso, do PSDB, tem apoio formal do PT. Veloso foi do PT de Bocaiúva e perdeu a eleição de 1992 e, depois, no PSDB, foi eleito prefeito em 1996.
Patrus alegou que dará apoio público aos candidatos a vereadores do PT em sua cidade natal e não participará da campanha de prefeito porque o acordo com o PSDB foi realizado sem sua participação.

CAMINHÃO QUE TOMBOU NA FERNÃO DIAS - MATANDO 14 PESSOAS, FOI AUTORIZADO PELO GOVERNO DE MINAS-AÉCIO NEVES/PSDB - A TRANSPORTAR GENTE NA CARROCERIA

Tragédia - Corpos de vítimas de acidente na Fernão Dias são enterrados
Cerca de cinco mil pessoas, segundo a Polícia Militar, passaram pelo ginásio poliesportivo de Santo Antônio do Amparo, no centro-oeste de Minas Gerais, onde foram velados os corpos dos 13 trabalhadores rurais vítimas do acidente na BR-381, a Fernão Dias, em MInas, na terça. Por volta das 16h, uma missa foi celebrada no local. O enterro foi realizado por volta das 17h30m, no cemitério da cidade.
A Polícia Civil divulgou, ontem quarta-feira - 21, o nome dos 14 mortos. Muitos eram parentes. As vítimas são: Antônio Braga, Salvador Aparecido Machado, Osana Maria Gonçalves, Ana Paula Marcelino Ananias, Roberto Carlos Marcelino, Juarez Marcelino, Mauro Lúcio Marcelino, Fátima Alves Marcelino, Maria Lúcia Modesto Tomaz, João Batista Tomaz, Maria Lúcia Ribeiro da Silva, Cícero Cirilo, Nair de Jesus Santos e Azarias Claudino Diniz. As seis vítimas que foram transferidas em estado grave para o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII estão internadas no ambulatório, com exceção de Marcos Marcelino, que está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).
O caso está sob investigação, mas a Polícia Civil não tem informações sobre o dono do caminhão. O laudo deve ficar pronto em 30 dias.
Há suspeita de que o caminhão perdeu os freios
O acidente ocorreu por volta das 17h de terça-feira no trevo de Bom Sucesso, na BR-381, a 190 quilômetros de Belo Horizonte. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o caminhão, que transportava 32 bóias-frias na carroceria, perdeu o freio, bateu em uma vala, passou para a outra pista e tombou, mas não atingiu outros veículos. Os trabalhadores rurais voltava para casa após mais um dia de trabalho na colheita de café em uma fazenda.
De acordo com a PRF, o caminhão estava com os pneus em bom estado, com os equipamentos de segurança necessários e possuía autorização do Departamento de Estradas e Rodagem (DER) para transporte de passageiro. O caminhão foi apreendido e encaminhado à Polícia Judiciária.
Ainda não se sabe se o motorista estava em alta velocidade ou se o veículo perdeu o freio. Em entrevista à GloboNewsTV no local do acidente, na terça, o delegado da Polícia Civil Aílton Pereira disse acreditar que o caminhão tenha perdido o freio antes de tombar.
- Tudo indica que o motorista perdeu o freio, bateu na valeta e tombou - afirmou o delegado.

21 de ago de 2008

Continua censurado por Aécio Neves o site Novo Jornal

Que os jornais Estado de Minas, Hoje em Dia, O Norte, Gazeta, Jornal de Notícia... Ou seja, que toda a imprensa em Minas esta amordaçada pelo Governo do Estado Aécio Neves, todos nós sabemos, porém, até agora pelo visto, o jornal Novojornal era um dos poucos veiculo que publicava matérias contrárias ao Palacio da Liberade, não é mais. Vitória do PSDB e do governador.
A denúncia de irregularidade em licitações de obras e compras do governo estadual nas empresas Cemig, Copasa e Codemig, além de algumas prefeituras municipais, inclusive a da capital, passaram a incomodar, além dos governantes, empresários de diversos setores.
O comportamento do procurador-geral de Justiça, Jarbas Soares, de impedir o andamento de investigações contra integrantes dos três poderes e de grandes empresas foi amplamente noticiado e questionado pelo Novojornal. Quando o Ministério Público lançou a campanha "O que você tem a ver com a corrupção", aproveitando-se do tema e do selo o Novojornal dirigiu a pergunta ao procurador-geral. Este não aceitou a crítica e ofereceu uma denúncia que, ainda na fase de inquérito, sem sequer ter-se transformado em um processo, recebeu decisão favorável de um juiz para a retirada do Novojornal da internet.
Ao contrário do argumentado pelo Ministério Público, o Novojornal encontra-se rigorosamente dentro da lei, inclusive com diretor-responsável registrado na DRT, detentor do MTE nº 000311/MG, respondendo o mesmo por todas as matérias não-assinadas publicadas no Novojornal. Prática adotada conforme disposto no art. 8º I e 28º II da lei 5.250/67 e art. 5º do Decreto-Lei nº 927/69, alterado pela Lei nº 5.696/71 e nº 6.612/78 e nº 6.727/79 e nº 7.360/85. Dessa forma, comprovado está que jamais existiu o anonimato argüido pelo MP-MG. Inclusive o diretor-responsável e o endereço de sua sede encontram-se registrados no
Registro.br, cadastro oficial de todos os sítios da internet no Brasil.
Como os artigos nº 20, 21 e 22 da Lei de Imprensa estão suspensos por decisão do Supremo Tribunal Federal, para atender o interesse do procurador-geral utilizaram-se do lamentável artifício de argüir o anonimato. Evidente que ao Ministério Público caberia evitar que ocorresse a quebra da liberdade de imprensa. Mas deu-se o contrário: por esse artifício, o MP-MG vem descumprindo a Constituição Federal, que atribui à polícia civil a competência de polícia judiciária.
Leia AQUI o "projeto de Aécio". Se depender deste blogueiro, seu projeto de chegar a presidência vai pra cucuias.

Tribunal Eleitoral mantém impugnação de Josefino, em Januária

O Tribunal Regional Eleitoral, em Belo Horizonte, manteve a decisão do Juiz Eleitoral de Januária, Dr. Francisco Lacerda de Figueiredo(foto) que impugnou a candidatura de Josefino Lopes Viana, do PP. Josefino tem três dias para recorrer ao TSE, Tribunal Superior Eleitoral em Brasília, que por sua vez tem que decidir até 25 de setembro se Josefino pode ou não ser candidato a prefeito. Com relação aos também impugnados Sílvio Aguiar do PMDB - apoiado pelo petista Paulo Guedes - e José Teixeira, vice da chapa de Malú Castilho do PMN, a decisão deve sair em breve. O candidato Manoel Jorge, do PT, lidera as pesquisas naquele município.
Com apoio da Alternativa FM

TJMG condena Eduardo Avelino por improbidade

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais condenou Eduardo Avelino Pereira, ex-secretário de saúde de Montes Claros, na gestão do ex-prefeito do demo, Jairo Ataide e atual assessor da Soebras, de "propriedade" do deputado do demo Ruy Muniz, por improbidade administrativa, por descumprir decisão judicial no período em que era secretário. Ele foi condenado ao pagamento de multa correspondente a 10 vezes o valor de sua última remuneração no período em que era secretário municipal de saúde.
O ex-secretário também teve seus direitos políticos suspensos por cinco anos e foi proibido de contratar com o poder público pelo prazo de três anos. A condenação foi requerida pelo Ministério Público, que ajuizou uma ação civil pública, onde atestou que o ex-secretário violou os princípios da administração pública ao deixar de cumprir a decisão judicial que determinou o fornecimento de medicamentos e materiais hospitalares ao menor B. G. F., portador de leucodistrofia metracromática, uma doença degenerativa e incurável.
Leia AQUI a decisão do TJMG

Colóquio Internacional sobre “(Des) Envolvimentos contra a Pobreza”

O ministro de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, participa hoje, 21, às 17 horas, na quadra 1 do Centro Esportivo Universitário Reitor João Valle Maurício, da abertura do Colóquio Internacional sobre “(Des) Envolvimentos contra a Pobreza”, que será presidida pelo reitor, professor Paulo César Gonçalves de Almeida, com a participação, além do ministro Patrus Ananias, do prefeito de Montes Claros, Athos Avelino e de outras autoridades e convidados.
O evento é organizado pela Unimontes, em parceria com as Universidades Nova de Lisboa (Portugal) e de Fribourg (França), com o tema central “Mediações Teóricas, Técnicas e Políticas”, onde vai discutir as potencialidades do País no combate à pobreza e à exclusão social e, ao mesmo tempo, divulgar as ações desenvolvidas pela universidade e outras instituições parceiras para a melhoria da qualidade de vida no âmbito regional.
As atividades se estenderão até o sábado (23), com a realização de conferências, minicursos, comunicações orais e apresentação de pôsteres em praticamente todos os prédios do campus-sede.
A programação oficial dos eventos, assim como a relação dos trabalhos selecionados e das conferências e minicursos, pode ser consultada através do sítio eletrônico www.unimontes.br/coloquiointernacional.

Lula inaugurou a 2ª fábrica do biodiesel

O presidente Lula inaugurou a segunda unidade da Petrobras Biocombustível na manhã desta quinta-feira, 21, em Quixadá (Ceará). O evento foi transmitido pela internet. A unidade de biodiesel da Petrobras em Quixadá tem capacidade de produção de 57 milhões de litros do biocombustível por ano, dos quais aproximadamente um terço serão destinados ao Ceará e o restante a demais Estados do Nordeste. A Petrobras investiu R$ 100 milhões no projeto. A companhia vai inaugurar nos próximos dias sua terceira usina de biodiesel, em Montes Claros, Minas Gerais (foto/Secom-Montes Claros).
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a soja não deve ser a principal oleaginosa a ser utilizada na produção de biodiesel.
Ele ressaltou o risco inflacionário de construir um programa de biocombustível a partir de uma commodity (produto básico negociado em bolsas de mercadorias). "Transformar a soja na matriz principal é um erro, porque o preço é determinado no mercado internacional", afirmou. O principal mercado de negociação do grão é a Bolsa de Chicago.
Na avaliação de Lula, utilizar a soja na produção de biodiesel é prudente apenas no caso de excesso de produção mundial, caracterizado por preços depreciados. "Neste caso, o uso da soja para o biodiesel pode até estimular os preços", disse. Para justificar o seu argumento, o presidente fez uma referência à recente alta da inflação, marcada por elevação no preço dos alimentos. "De repente eu vejo a inflação brasileira causada por commodities e a gente não pode fazer nada."
Mamona
Durante o seu discurso, o presidente rebateu as críticas ao programa de biodiesel do governo federal, que incentiva o uso da mamona como matéria-prima. "Ainda nem começamos a dar uma dimensão industrial para o biodiesel da mamona e muitos estão falando que o programa já fracassou", disse. Segundo ele, a escolha da oleaginosa mais adequada para a produção do biocombustível "pode levar de cinco a dez anos".
Mais uma vez, Lula voltou a defender a produção dos biocombustíveis e a afirmar que ela não compete com os alimentos. "Temos uma grande política de produção de biocombustíveis e uma grande política de produção de alimentos", ressaltou. O programa do governo para o biodiesel prevê incentivos para que a cadeia produtiva da mamona seja formada a partir da agricultura familiar, de modo a garantir abastecimento e renda para o pequeno produtor. Durante a cerimônia, o governador do Ceará, Cid Gomes, anunciou subsídios de R$ 200 por hectare de mamona cultivada na região.
Petrobras
Também em discurso, o presidente da Petrobras Biocombustível, Alan Kardec, afirmou que três razões levaram a empresa a inaugurar hoje uma unidade de biodiesel: o aumento da demanda por biocombustíveis no Brasil e no mundo; a capacidade do Brasil de responder a esse movimento; e a exigência do governo de que parte da matéria-prima seja oriunda da agricultura familiar.

20 de ago de 2008

SAMU-192 realiza parto e salva criança de mãe morta

Inaugurado em março de 2006, o Serviço de Atendimento Médico de Urgência Samu-192 de Montes Claros provou mais uma vez porque é o primeiro no estado de Minas e terceiro melhor do país, em qualidade e número de atendimentos.
Num fato inédito, equipe do Samu-192 de Montes Claros conseguiu fazer um parto numa mãe já sem vida, salvando a criança, do sexo masculino.
Os médicos fizeram uma cesariana de urgência, no próprio local em que foi encontrado o corpo da vítima, a dona de casa Cristiane do Carmo Silva, 24, grávida de 6 meses. Ela foi baleada na cabeça e já estava morta quando a equipe do Samu-192 chegou à sua casa, no bairro Vargem Grande II. O bebê, batizado de Sérgio em homenagem ao médico Antônio Sérgio Barcala, que junto com o colega Daniel Silva Ramos salvou suavida, foi levado para o Hospital Universitário onde permanecia em observação.
A Polícia Militar informou que a mãe foi atingida por um ex-namorado, menor de idade. Os policiais foram chamados pelo ex-marido de Cristiane, presente no momento do crime. Segundo ele, o autor do disparo foi buscar um documento que estava com a vítima. O menor nãoteria gostado de Cristiane ter entregue o papel por debaixo da porta.
Então, quebrou a janela, invadiu a casa e disparou contra o banheiro,onde Cristiane havia se trancado. O tiro transfixou a porta e acertou a cabeça da mulher. O acusado fugiu em seguida.
"Apesar das condições precárias, a interferência cirúrgica foi feita no local. Se demorasse mais um pouco a criança poderia morrer.", explicou Enius Freire Versiane, coordenador do serviço. "Casos como esse, além de oferecer riscos a equipe, uma vez que não se sabe onde está o autor do crime, requerem um maior cuidado com a vítima, devido as condições impróprias do ambiente. A equipe está de parabéns", concluiu.
A unidade do Samu-192 de Montes Claros é considerada a melhor de Minas Gerais e a terceira do país. A implantação do serviço na cidade é uma das ações implementadas pelo prefeito Athos Avelino na área da saúde. Faz parte de um conjunto de medidas determinadas pelo prefeito na política de valorização da vida humana, que passa pelo acesso do cidadão a serviços em vários segmentos, especialmente ao atendimento médico de qualidade. O Samu-192 está em Montes Claros desde 2006.
Athos Avelino enviou carta de agradecimento à equipe, parabenizando por mais uma ação em favor da vida. Participaram do atendimento, alémdos médicos, os enfermeiros Alissom Miranda Dourado, Rômulo Fernando Cordeiro e Walter Luis da Silva; e os condutores Fidelcino Santana e Alessandro Alves.
Fonte: Secom/Prefeitura Montes Claros - Foto: Hélio Luiz 05

O município de Japonvar é acusado de derrubar pés de pequi

Como se não bastasse a denúncia contra o prefeito de Japonvar, no Norte de Minas, Leonardo Durães de Almeida, de ser um turista na prefeitura daquele município, ficando cinco dias em Montes Claros e apenas dois dias cuidando dos interesses de Japonvar, conforme comentário do colunista Manoel de Freitas (Leia AQUI), agora ele é acusado de crime ambiental. Segundo matéria da TV Alterosa, o município de Japonvar foi notificado por assorear cursos d'água e por derrubar o pequizeiro, a árvore símbolo do cerrado. Veja Aqui
Só para lembrar, Japonvar impediu a atriz e apresentadora Regina Casé que comanda aos domingos no programa do Fantástico o quadro “Central da Periferia”, e no canal Futura, “Um Pé de Quê?” – a gravação de uma matéria no Mercado Central de Montes Claros e no município de Japonvar. Segundo informações colhidas junto à produção do programa da Rede Globo de Televisão, o motivo teria sido o fato “dos personagens a serem entrevistados não estarem disponíveis no final de semana em Japonvar (!?)”.
O ‘balde de água’ fria promovido pelo município norte-mineiro que conta atualmente com cerca de 10 mil habitantes, frustrou centenas de pessoas que estiveram no Mercado de Montes Claros para ver, conhecer e conversar com a global. Mas a produção da apresentadora – que sentiu na pele a falta de estrutura do município de Japonvar para viabilizar a visita –, rapidamente obteve o convite para conhecer Alto Belo, distrito de Bocaiúva. A festa promovida ali todos os anos, que reúne milhares de pessoas, já conta com reconhecimento nacional ao valorizar dos costumes regionais do povo norte-mineiro.
Leia
AQUI matéria deste blog

19 de ago de 2008

Patrus Ananias recusa apoiar Ricardo Veloso em Bocaiúva

O ministro Patrus Ananias, do Desenvolvimento Social, escreveu para a coluna do Jornalista Ricardo Noblat, afirmando que é coerente, sim. Rebatendo o comentário de Noblat, “Para que Patrus Ananias seja coerente”, publicada no último dia 13 de agosto.
"Prezado Jornalista Ricardo Noblat:
Tenho muito orgulho de ser de Bocaiúva, cidade onde passei a infância, adolescência e despertei para os grandes problemas de Minas, do Brasil e da própria condição humana. Em Bocaiúva residem minha mãe e meus irmãos e irmãs, tenho meu pai e minha irmã Patrícia sepultados e guardo inúmeros vínculos familiares e afetivos.
O meu domicílio e, dentro do sentido mais amplo da palavra, o meu domicilio político eleitoral é Belo Horizonte, cidade que me acolheu em 1972, onde fui vereador, relator da lei orgânica do município, prefeito e onde construí minha vida familiar, afetiva e profissional como advogado trabalhista, professor de direito, funcionário público da Assembléia Legislativa de Minas, aprovado em concurso público, e onde está cadastrado meu título eleitoral.
Esclareço que não sou “comandante” do PT de Bocaiúva. Sou membro do diretório nacional, fui secretario-geral e presidente do PT em Minas, portanto tenho também atenção com o PT em todos os municípios, inclusive na minha terra onde, entretanto, não exerço uma militância maior.
Não obstante isso, comuniquei formalmente, em nome da minha coerência, especialmente considerando a situação de Belo Horizonte, que não participarei da campanha em Bocaiúva. Darei apoio formal aos candidatos a vereador, mas não apoiarei a chapa".