Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

6 de mar de 2007

Sem mudanças no padrão de consumo, não cessará degradação ambiental


A intensificação dos noticiários, informações e até mesmo da percepção e preocupação gerais relativamente à galopante degradação ambiental no planeta constitui uma esperança de superação, ainda que sejam comprovadamente remotas as chances de reversão de boa parte dos estragos já causados.
Oportunismos, casuísmos e impropriedades são, no entanto, um grande complicador nesse caminho de superação, na medida em que mascaram a realidade e impedem a busca das soluções mais autênticas e efetivas. No momento em que é lançada uma campanha da Fraternidade cujo tema é a Amazônia, um tema pela primeira vez localizado geograficamente, mas que hoje reverbera mundialmente, faz-se oportuno e necessário vislumbrar essas propostas inócuas, quando não falaciosas.
“A Campanha da Fraternidade nos convida a assumir melhor a Amazônia, com a riqueza que ela representa para o Brasil e para o mundo. Mas nos convida também a rever nossa relação com o ambiente em que nos encontramos, reeducando-nos para respeitar suas características, percebendo melhor sua sintonia, que se constitui em contexto vital que possibilita a manutenção de suas potencialidades junto com o seu crescimento harmonioso”, avalia D. Demétrio Valentini.
Avaliação que se ergue também como alerta quando se sabe existirem, nos limites de nosso próprio território, instituições que pretendem minimizar a “culpa consumista” de seus clientes, oferecendo-lhes “serviços exclusivos” de neutralização dos impactos da emissão de gases através da plantação de árvores. Afinal “você pode passar o dia inteiro plantando árvores pela Internet (através de sítios como www.clickarvore.com.br). O plantio terceirizado de árvores é mais prático e menos conflituoso do que opor-se aos interesses de alguém que derrubou ou vai derrubar uma floresta, como aconteceu e acontece na Amazônia por ação e omissão governamental. Mas, hoje, a grande contribuição do brasileiro médio pode ir muito além disso”, ressalta o colunista Rodolfo Salm.

Nenhum comentário: