Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

26 de mar de 2007

A excitação da imprensa com o novo ministro




A indicação do jornalista Franklin Martins para comandar o recém-criado Ministério da Comunicação Social deixou a imprensa excitada neste fim de semana.
A preocupação, evidentemente, não é com a pessoa do futuro ministro, jornalista competente e sério. As aflições relacionam-se com o fato de que pela primeira vez a mesma repartição cuidará da distribuição das informações e da distribuição de publicidade, o que já está sendo chamado de combinação do verbo com verbas.
A excitação é despropositada: o novo ministro ainda não desenhou a estrutura do novo ministério e certamente só a apresentará quando tomar posse.
É preciso não esquecer que mesmo em guichês diferentes o governo pode castigar com cortes de publicidade aqueles que o criticam ou privilegiar aqueles que lhe são simpáticos. Isso, aliás, vem acontecendo a partir das revelações do mensalão.
Decisões voluntaristas
É engraçado notar que a mídia não reclama contra as vultosas verbas publicitárias do governo – essa é uma causa que estranhamente não a sensibiliza. Pois devia: o dinheiro do contribuinte só deveria ser gasto em publicidade explícita de serviços públicos ou em projetos comprovadamente culturais, como acontece em tantos paises.
Ao invés de espernear antes da hora, a imprensa deveria preparar sugestões ao novo ministro. Uma boa ouvidoria evitaria eventuais injustiças, um conselho auto-regulador impediria decisões voluntaristas e assim por diante.
Uma coisa é certa: o tal projeto da rede de TV do Executivo vai sair das mãos do ministro Hélio Costa e a RAI italiana não mais servirá de paradigma para nossa rede pública de TV.

Nenhum comentário: