Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

6 de mar de 2007

Novelas - Campeãs de misticismo e de imoralidade

Escrito pelo Jornalista Jehozadak Pereira
Campeãs de audiência e formadoras de opinião, as novelas têm histórias e enredos comprometidos com reencarnação, misticismo, esoterismo; homens e mulheres nus, fornicação, relações sexuais ilícitas, prostituição, homossexualismo masculino e feminino, sensualidade, conflitos familiares, filhos rebeldes; falcatruas de toda espécie, etc. Tudo o que se pode imaginar há nas novelas transmitidas pela TV Globo. Ainda assim, de segunda a sábado, a partir das 18:00 horas, uma multidão de brasileiros de todas as classes sociais, de moradores de luxuosas mansões a humildes casebres, se acomodam em suas poltronas ou equivalentes para assistirem cada uma das três novelas diárias transmitidas pela emissora, novelas essas saudadas pelos sociólogos como um espelho da realidade.
Os autores impõem um padrão de moralidade e religiosidade discutíveis, influenciando comportamentos e estabelecendo tendências marcantes ao longo dos anos, transformando as novelas em “mania nacional”. A partir das 18 horas e até o final da novela “das oito”, negócios serão postergados, decisões adiadas, resoluções transferidas; o Brasil praticamente pára no chamado horário nobre. Aqueles que por qualquer motivo perderem o capítulo diário, darão um jeito de gravar para assistir mais tarde. No dia seguinte, nos bares, no trabalho, na escola, no ônibus ou no trem o capítulo do dia anterior será discutido a exaustão.
Leia o restante da matéria AQUI.

Um comentário:

Anônimo disse...

Penso que sobre pretexto de "liberdade de imprensa", os meios de comunicação brasileiros, principalmente a Rede Globo, geram uma verdadeira libertinagem, corrompendo a sociedade com todos os tipos de imoralidades, inclusive às crianças. Em alguns países europeus não é assim e a sociedade é mais saudável. Aqui é uma vergonha. As pessoas deveriam revoltar-se contra isso!