Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

28 de fev de 2007

Jim O’Neill avalia como "um bom resultado".

"O Brasil não precisa crescer tanto quanto os outros, à diferença do que muita gente estranhamente crê", afirma o economista-chefe.
"O Brasil se encontra em um estágio mais avançado".
Se mantiver o crescimento a uma média de 3,5% ao ano, o país ainda se manteria entre os BRIC no horizonte dos próximos 30 anos.
Juntas, as economias dos BRIC superariam as dos sete países mais ricos do mundo em 2050. O Brasil estaria na 5ª ou 6ª posição, de acordo com as pesquisas do Goldman Sachs.
Jim O'Neill, do Goldman Sachs, acredita que a crítica a Lula é "injusta". Ele lembrou que, nos quatro anos do governo Lula, o país teve um desempenho melhor que a dinâmica Coréia do Sul.
"As pessoas subestimam um dado muito importante: Lula presidiu por quatro anos um país que não viveu nenhuma crise. É notável.
"Mas as pessoas dão muito pouco crédito a isso."
Jim O'Neill - Economista-chefe do Goldman Sachs

Nenhum comentário: