Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

3 de fev de 2007

Elisa quer transparência no governo de Minas

A nova líder do PT na Assembléia, deputada Elisa Costa, cobra governo mais democrático e promete oposição responsável
A nova líder do PT na Assembléia Legislativa de Minas Gerais, deputada estadual Elisa Costa, declarou que o PT sempre fez uma oposição responsável ao governo de Minas, mas neste segundo mandato do governador Aécio Neves o partido vai “exigir mais democracia nas ações do Executivo”.
“Queremos um governo comprometido com as causas populares e, principalmente, que resgate a cidadania. O governo de Minas é elitista, centralizador e não mostra transparência em suas ações”, afirmou a líder.
Elisa Costa também defendeu que o Legislativo mineiro seja mais transparente e que fiscalize a aplicação dos recursos públicos, cumprindo seu papel. “É preciso que a oposição tenha o apoio popular e das forças progressistas que estão alinhadas com o governo Lula, ao PT, PCdoB e PMDB para fazer uma oposição responsável, séria e comprometida com os interesses populares de Minas”, disse.
Segundo a deputada petista, a oposição pretende reivindicar melhor remuneração para os servidores públicos estaduais. “Isto será traduzido em discussão mais transparente do orçamento e na definição de uma política remuneratória decente para todo o funcionalismo público”, destacou.

Nenhum comentário: