Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

8 de nov de 2006

Sob descontrole do pai do valerioduto

O projeto que "obriga a identificação dos usuários da internet antes de iniciarem qualquer operação", que tem Eduardo Azeredo(PSDB) de relator, foi "retirado de pauta do Senado", na manchete do UOL.
Mas ecoa em sites do exterior. Além da esperada controvérsia na blogosfera brasileira de mídia, o caso avançou por sites como o Slashdot, um dos principais do setor nos EUA, Broadband Report e Techdirt, sob títulos como "Políticos brasileiros dizem que ninguém pode ser anônimo on-line" e com comentários ironizando a burocracia já projetada.
Ao longo do dia, o caso ganhou até ares de movimento.

"BBB" No Slashdot, "O fim do anonimato de internet no Brasil" e a ilustração de um binóculo. O Broadband ilustrou com um olho de "big brother"
Por coincidência - e sem citar o Brasil ou o projeto - ontem foi um dia inteiro de mobilização mundial contra a censura na rede. Como destacou a organização Repórteres Sem Fronteiras liderou a ação e divulgou uma lista com os 13 países que mais restringem o acesso à internet, com a China à frente, Cuba no meio e, desta vez, a Líbia de fora. Note-se que a RSF vem sendo questionada há tempos por receber fundos do governo dos EUA e outros, com contrato para ceder informações.
Azeredo o picareta

O projeto que prevê acesso vigiado à internet, relatado pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), resulta de lobby dos bancos, desgostosos com as despesas que são obrigados a fazer para coibir fraudes em transações eletrônicas. Um parlamentar do PSDB relativiza o desgaste de imagem para o correligionário Azeredo por promover um projeto que visa engessar o acesso à internet: "Melhor do que ser lembrado como o pai do valerioduto".

Nenhum comentário: