Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

23 de nov de 2006

Foi mal


O deputado federal eleito Juvenil Alves (PT-MG) foi preso hoje durante a Operação Castelhana, que a Polícia Federal está realizando para desarticular uma organização especializada em crimes financeiros.
Juvenil Alves foi detido em sua casa, no bairro Belvedere, na região centro-sul de Belo Horizonte, e levado para a sede da PF. A polícia havia realizado uma operação nos escritórios de advocacia do político, entre eles um imóvel na Avenida Pacaembu, na zona oeste de São Paulo. Uma outra pessoa, ainda não identificada, também foi presa. O deputado eleito tem 47 anos e nasceu em Abaeté, região central do Estado. Ele obteve 110.651 votos nas eleições de outubro deste ano, segundo números do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).
A Operação Castelhana tem como objetivo desarticular uma organização especializada em crimes financeiros com sede em Belo Horizonte. A investigação é de responsabilidade da Diretoria de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal, da Receita Federal e do Ministério Público Federal. No total, estão sendo realizadas cerca de 20 prisões, além de 50 buscas e apreensões. Entre os presos, estão empresários, contadores e advogados envolvidos na fraude.
Para a operação, foram recrutados cerca de 250 policiais federais e 120 auditores da Receita Federal. As ações acontecem nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Alagoas e no Distrito Federal. Todas as prisões, buscas e seqüestros de bens foram deferidos pelo Juízo Federal da Vara Especializada em Lavagem de Dinheiro de Belo Horizonte. As prisões temporárias são válidas exclusivamente por cinco dias e têm por finalidade garantir que testemunhas não sejam intimidadas e que provas sejam ocultadas.

Nenhum comentário: