Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

27 de nov de 2006

Equador agora faz parte do novo socialismo da América Latina

O povo do Equador falou e falou alto.

Quando todos esperavam um resultado equilibrado no segundo turno da eleição presidencial, o que ocorreu foi uma vitória folgada do economista de esquerda Rafael Correa.
Ele venceu facilmente o adversário de direita e homem mais rico do país, Álvaro Noboa – mesmo nas regiões costeiras onde pensava-se que Correa não tinha tantos eleitores.
Com um doutorado por uma universidade americana, o economista poliglota e guitarrista impressionou muito com sua energia juvenil e seu entusiasmo demonstrados durante a campanha.
Mas Correa é politicamente inexperiente e lidera um novo movimento político sem representação no Congresso.
Mudança radical
Ao que parece, o povo do Equador quer a mudança radical prometida por Correa, a "revolução dos cidadãos" para derrubar o que ele chama de instituição governante desacreditada – uma instituição que produziu oito presidentes nos últimos dez anos.
Correa, que foi ministro da Economia por um breve período no governo do presidente interino Alfredo Palacio, quer garantir que uma fatia maior da riqueza do Equador vá para os muitos pobres do país, e que mulheres e grupos indígenas sejam melhor representados na sociedade equatoriana.
O economista deseja reverter processos migratórios que levam centenas de milhares de pessoas à Europa e aos Estados Unidos em busca de uma vida melhor.
Ele é conhecido por suas opiniões fortes a respeito do relacionamento com os Estados Unidos: chamou o presidente George W. Bush de "estúpido", disse que não vai assinar um acordo de livre comércio com os americanos, e quer o fechamento de uma base militar dos Estados Unidos em território equatoriano.
LEIA MAIS AQUI

Nenhum comentário: