Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

13 de dez de 2006

Salário mínimo e desigualdade

A Comissão Mista de Orçamento do Congresso (CMO) aprovou, hoje, o valor de R$ 375 para o salário mínimo, a partir de 1º de abril. Esse valor, que representa um aumento de 7,12% sobre o salário atual, corresponde à proposta original do governo – embora nos últimos dias os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Paulo Bernardo (Planejamento) tenham defendido um mínimo de R$ 367. Ao que tudo indica, esse aumento vai passar no relatório final do Congresso. Mais um passo rumo ao longínquo horizonte da igualdade social, se lembrarmos um recente estudo do economista Antonio Prado, do BNDES.Segundo o documento, a média salarial dos 25% de cidadãos que têm menor renda, no país, ficou mais próxima da média geral da população, nos últimos dez anos. O economista apontou uma queda na diferença entre essas duas médias, de 5,4 vezes para 4,2 vezes – o que representa uma redução de 22%. O fator determinante para esse aumento nos ganhos da parcela mais pobre dos trabalhadores, de acordo com o estudo do BNDES, foi a valorização do salário mínimo, uma vez que não houve mudanças, em termos de crescimento da economia ou dinamismo setorial, que justificasse esse crescimento.

Nenhum comentário: