Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

27 de dez de 2006

No meu scoth bar não entra casal de gays, a não ser um de saia e o outro de calça


Se eu encontrar Ricardo Athayde, sou capaz de fazer qualquer coisa de ruim, ... A única pessoa que me prejudicou foi a família Athayde, o Ricardo Athayde. ...
Talvez em outros locais não, mas esta entrevista vai explodir como uma bomba na parte histórica da cidade, a chamada baixada de Montes Claros. Mais precisamente, na Cachaçaria do Durães, que já se transformou em ponto de referência, parada obrigatória de visitantes de várias partes do país. E camarote permanente de boêmios e intelectuais que até altas horas da noite discutem ali os mais polêmicos assuntos sobre a vida de todo mundo e a vida de cada um, inclusive do dono, José Pereira Durães, o mais forte candidato à sucessão de Afrânio Temponi como rei da noite desta terra de Figueira.
Não se sabe no colo de quem, mas o petardo detonado por Durães, também conhecido como Duras, começa a explodir com sua decisão de criar um scoth bar, ao lado da Cachaçaria, apenas para casais heterossexuais. Logo ele que patrocinou, recentemente, a II Parada do orgulho gay, que reuniu cerca de 3 mil rapazes e moças alegres exatamente na rua do scoth, a Justino Câmara, nº 69...
Para tentar transmitir ao leitor o clima descontraído que dominou a entrevista (e não poderia ser diferente quando se trata desse filho de Brasília de Minas), está sendo inaugurado o processo de cronometragem das risadas, medidas a partir de cinco segundos. O entrevistado só perde o humor quando o assunto é a campanha de difamação que quase o levou à falência, logo após o assassinato do bailarino Igor:
- Se eu encontrar Ricardo Athayde, sou capaz de fazer qualquer coisa de ruim, meter a mão, até, na orelha dele.
No mais:
- Pra mim, ó, tudo às mil maravilhas. Não tenho nada a reclamar.
Leia a entrevista completa do jornalista Reginauro Silva AQUI

Nenhum comentário: