Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

14 de dez de 2006

Parlamentares brigam agora por aumento de cota para viagens

É assim que somos vistos pelos políticos

O aumento das vantagens dos parlamentares pode não parar com a elevação de 90% de aumento salarial. Cresce na Câmara dos Deputados a reivindicação para que a cota de passagens aéreas a que cada congressista tem direito mensalmente seja reajustada em valor superior aos índices geralmente utilizados pela Casa, como o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).
Hoje, a cota de passagens aéreas varia de R$ 4.147 a R$ 16,5 mil, dependendo do Estado de origem do parlamentar. O valor é reajustado anualmente. Mas a Folha apurou que há parlamentares afirmando que os índices utilizados não contemplariam o reajuste das passagens aéreas no período.
Os pedidos para uma revisão é do terceiro-secretário da Casa, deputado Eduardo Gomes (PSDB-TO), responsável pelo assunto na Câmara. Na última reunião da mesa diretora, ele pediu à diretoria-geral um estudo sobre o aumento das passagens. A discussão surge em um momento em que a Câmara fala em cortar despesas para garantir o reajuste do salário dos parlamentares. A Casa também repassa aos parlamentares outras parcelas mensais, como R$ 15 mil para montar escritórios e R$ 3.000 para moradia.

Nenhum comentário: