Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

30 de dez de 2006

George W. Bush é um filho da puta

SADDAM É EXECUTADO EM BAGDÁ SEM REAGIR À SENTENÇA




Saddam Hussein, 69, foi enforcado por volta de 1h deste sábado (horário de Brasília), em Bagdá, em cumprimento à execução imposta pela morte de 148 xiitas em 1982. Ele governou o Iraque de 1979 a 2003, quando caiu após invasão de tropas norte-americanas no país. Conseguiu fugir, mas foi capturado em dezembro daquele ano e, desde então, respondia a processos por genocídio.
Saddam foi acusado por americanos de desenvolver e armazenar armas de destruição em massa, fato que nunca ficou comprovado. Analistas e autoridades internacionais questionaram a legitimidade e os métodos do julgamento de Saddam. No Brasil, o Itamaraty criticou a pena de morte imposta. A imprensa internacional dedicou grandes manchetes para a execução do ditador, que despertou críticas tanto ao regime no Iraque quanto à invasão americana que detonou a guerra no país.
A morte de Saddam despertou também reações em líderes de todo o mundo. Enquanto alguns comemoram a morte, outros condenam sua execução em meio a protestos contra a pena de morte.

Lula diz que morte de Saddam não resolve problema
e critica ocupação do Iraque


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse neste sábado que a morte do ditador iraquiano Saddam Hussein não resolve o problema do Iraque.
"Não sei se foi um julgamento ou uma vingança. De qualquer forma, acho que não resolve o problema do Iraque. Acho que a violência vai continuar", afirmou Lula, que participou hoje da abertura de uma exposição de fotos da campanha eleitoral no PT, em Brasília.
Lula também criticou a intervenção dos Estados Unidos no Iraque. "Enquanto houver gente dando palpite no problema do Iraque, ele não vai dar certo. Não daria certo no Brasil, na Argentina na Rússia e muito menos nos Estados Unidos. Os que estão ocupando o Iraque têm que ter consciência de que o Iraque só vai encontrar a paz quando permitirem que as divergências internas sejam resolvidas pelo povo", afirmou ele.
Para Lula, o Iraque precisa ter autonomia para resolver seus problemas para conseguir resolver a crise da violência. "O Iraque só vai ter a solução dos seus problemas quando os iraquianos tomarem as decisões certas e erradas e tiverem o destino nas suas próprias mãos.
"Saddam governou o Iraque de 1979 a 2003, quando caiu após invasão de tropas norte-americanas no país. Conseguiu fugir, mas foi capturado em dezembro daquele ano e, desde então, respondia a processos por genocídio.

Nenhum comentário: