Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

28 de mai de 2007

Walfrido tenta impedir investigações - Ele apresentou relatório ao presidente Lula acusando a PF de “excessos” e exige suspensão das investigações

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje (28) que a Polícia Federal (PF) não tem sido arbitrária na Operação Navalha, que desarticulou organização criminosa acusada de desviar recursos de obras públicas. Segundo ele, a PF deve ter independência para investigar quem quer que seja. Lula ainda afirmou que o suposto envolvimento do senador Renan Calheiros com um lobista será investigada.

“A Polícia Federal faz a investigação. Para ela poder obter uma escuta telefônica, tem um pedido para a Justiça. Muitas vezes, para prender, ela tem que prender com uma decisão judicial, ela não faz nada de forma arbitrária. Da mesma forma que nós queremos que o Ministério Público (MP) seja republicano e que seja independente, que seja autônomo, ou seja, a Polícia Federal tem que ser assim”, disse Lula, no programa semanal de rádio Café com o Presidente desta segunda-feira.

Na última quinta-feira (24), parlamentares do conselho político da coalizão queixaram-se ao presidente Lula de que os policiais estariam cometendo abusos durante a operação, como prisões sem justificativa e vazamento de informações sigilosas. Diante das reclamações, o presidente solicitou a apuração dos possíveis excessos da PF, de acordo com relato do ministro de Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia. No mesmo dia, o ministro da Justiça, Tarso Genro, admitiu que pode ter havido vazamento de informações da polícia sobre a operação e garantiu a investigação do fato.

“Não há nenhuma necessidade de impedir que a Polícia Federal exerça sua função de Polícia Federal, como não há nenhum interesse do governo em impedir que o Ministério Público utilize o poder que tem para investigar”, completou o presidente, no programa de rádio.

De acordo com Lula, as investigações da PF aumentaram desde que ele assumiu o governo. “A Operação Navalha, da Polícia Federal, é igual a tantas outras operações que a Polícia Federal tem feito nesses últimos anos, sobretudo depois que eu tomei posse em 2003. Por que isso tem acontecido? Porque nós achamos que uma forma de você combater a corrupção é você permitir que a Polícia Federal tenha uma ação totalmente republicana, que ela tenha independência de investigar quem quer que seja”, afirmou.

Ao ser indagado sobre uma suposta relação do senador Renan Calheiros com o lobista Cláudio Gontijo, assessor de uma empreiteira, Lula afirmou que o senador é inocente até que se prove o contrário. “Não quer dizer que o senador Renan seja culpado ou tenha qualquer culpa. Ou seja, nós temos processo de investigação e vamos investigar", disse.

Só para lembrar, a Faculdade Pitágoras de Montes Claros, que pertence ao ministro Walfrido, fez doação para a campanha política do deputado federal do PSDB, Atila Freitas Lira, do estado do Piauí, um dos nove parlamentares suspeitos de praticarem lavagem de dinheiro e práticas fraudulentas através de saques milionários do Banco Rural, considerado pela Procuradoria-Geral da República como "núcleo financeiro e operacional" da organização criminosa que comandou o mensalão (http://transparencia.ig.com.br/). Este comentário não tem nada com aquelas baixarias da direção local da Faculdade Pitágoras, contra este blogueiro. É apenas um fato incontestável.

Nenhum comentário: