Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

13 de out de 2008

Corno do PP rejeitado na urna

Em Natal (RN), Paulo Renato da Silva, o Cornelson, do Partido Progressista de Natal (RN), não conseguiu êxito nestas eleições. Tentando pela segunda vez uma cadeira na Câmara de Vereadores, amargou um 224º lugar, com apenas 115 votos.

Durante a campanha as agendas semanais chamaram atenção. Entre alguns compromissos estavam: 8h - café da manhã com a Associação dos Cornos do Sétimo Dia; 9h - visita a um empresário abandonado pela mulher; 10h30 - debate no CCC, Comitê das Chifreiras Comunistas; 14h - carreata "Arrasta Corno" pelo Plano Palumbo.Com o lema "mais vale um par de chifres na testa do que um jovem perder a cabeça nas drogas". Ele sabia que a campanha eleitoral seria difícil, porém imaginava que "de chifre em chifre eu chegava lá", disse.

Para Cornelson faltou apoio do partido e um entendimento da população sobre sua alcunha. "Esse apelido foi uma forma de marketing. Simbolizava o trabalhador operário sendo traído pelos políticos. Por isso o capacete com chifres. Não tive retorno do meu partido, nem da comunidade".

Silva não pretende desistir da política, garantiu que seguirá concorrendo, mas com outro apelido. "Cornelson nunca mais. Não deu certo".

Fonte: Juliana Weis

Nenhum comentário: