Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

7 de ago de 2007

Juiz rejeita queixa-crime de jogador Richarlyson e diz que “futebol é para macho!”

O jogador Richarlyson, do São Paulo - um dos desataques do líder do Brasileirão, na vitória contra o Grêmio - não teve êxito na sua tentativa de ver processado criminalmente um diretor do Palmeiras e ainda teve que ler, na sentença, que futebol não é coisa para gay. Essa foi a linha adotada pelo juiz Manoel Maximiano Junqueira Filho, 9ª Vara Criminal de São Paulo, ao fundamentar a decisão em que rejeita a queixa-crime de Richarlyson contra o cartola do Palmeiras, José Cyrillo Júnior.
A sentença registra que `o futebol é jogo viril, varonil, não homossexual`. E lembra que o hino do Internacional consagra esta condição: `Olhos onde surge o amanhã, radioso de luz, varonil, seguir sua senda de vitórias`...
A sentença veio a público na sexta-feira (03), embora tivesse sido proferida duas semanas antes. Poucos dias depois de proferir o julgado monocrático, o magistrado Junqueira Filho passou a responder a processo disciplinar no Conselho Nacional de Justiça, encaminhado pelo advogado Renato Salge, defensor do atleta. No expediente é pedida a punição do juiz `por homofobia e intolerância`. O advogado sustenta na representação que `o que discutimos na queixa-crime era se houve injúria por parte do diretor palmeirense, e não se Richarlyson é homossexual ou não - e, na sentença o juiz decidiu com base no pensamento pessoal dele, e não na lei.”
Na decisão que fulmina a queixa-crime, o juiz sugeriu o que o jogador poderia ter feito. Se não fosse homossexual, o melhor seria ir ao mesmo programa de televisão dizer que era heterossexual. “Se fosse homossexual, poderia admiti-lo, ou até omiti-lo, ou silenciar a respeito. Nesta hipótese, porém, melhor seria que abandonasse os gramados”.
O magistrado também ironizou a manifestação de um grupo gay da Bahia de que o futebol deveria ser aberto aos homossexuais. “Ora bolas, se a moda pega, logo teremos o sistema de cotas`.

Nenhum comentário: