Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

14 de ago de 2007

GALINHAS EM PÂNICO

"A CLASSE MÉDIA ALTA É A MAIS BAIXA"
Paulo Henrique Amorim Máximas e Mínimas 605
"A classe média alta é a mais baixa da população. Ela está tão desesperada que corre atrás de qualquer coisa que se diga... O método de produzir a decadência para depois corrigir, a idéia do ‘quanto pior melhor’, é elaborado pela classe dominante. A classe dominante no Brasil é a mais pobre. A exigência de uma cidade como São Paulo é habitação, transporte e saúde.
A questão dos transportes é fundamental.... queimar petróleo para transportar uma pessoa de 60 quilos numa lataria de 700 quilos, que não anda, é um erro grave.
Acho que até isso não é assunto para mim, mas para Borges, Cortazar, Rabelais. Quando ouço, no rádio, que são 157,8 quilômetros de congestionamento, penso na linguagem de descalabros de Rabelais.A classe chamada alta produz o seu próprio desastre. Você abandonou a cidade e a população pobre ocupou-a. Você abandona a cidade e funda outra, como Alphaville, porque teme a liberdade. A avenida São Luís, feita de habitações de alto luxo, não durou 15 anos.
Essa classe não lê, ou seja, ela está degenerada.... acho que eles têm absoluta consciência e estão desesperados. É o imobilismo do aflito, como o naufrágio do Titanic: a orquestra não parou de tocar.Acho que é essa consciência do próprio desastre que forma estados patológicos como o pânico. São pessoas que já não respeitam o outro. Estão num estado de delírio.
O mercado é um horizonte falso e, se ficar no comando do processo, só produzirá asneiras como os neoclássicos.".
Esses são alguns, poucos, trechos da entrevista que o genial arquiteto Paulo Mendes da Rocha concedeu a Ana Paula Sousa, da Carta Capital.
.
Clique aqui para ler a íntegra da entrevista.

Nenhum comentário: