Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

26 de jan de 2008

Robson Andrade, presidente da Fiemg, frauda licitação


Presidente da Fiemg aumenta dez vezes seu patrimônio com dinheiro público. MPF promete rigor, mas Aneel se cala



A situação das instituições nacionais beira a quebra do regime democrático de direito. Enquanto a grande maioria dos empresários brasileiros enfrenta uma carga mortal de dificuldades e impostos, uma pequena “elite” empresarial é beneficiada com privilégios e, até mesmo, com a quebra e o desrespeito às leis.
Na verdade, esta “elite” apropriou-se do Poder em todos os níveis.
Seja qualquer partido político ou tendência ideológica que esteja no poder, a esta “elite”, subordina-se. De qualquer outro empresário que queira participar de uma licitação para investir seu capital de maneira honesta é exigida uma montanha de certidões e obediência às normas. É o famoso “rigor da lei”.
Até mesmo os Órgãos de Governo, no caso específico a Aneel, tremem de medo ao lidar com estes empresários. Para esta "elite", tudo. Até mesmo a revogação de dispositivos que estes “empresários” tenha descumprido.
Se a lei não permite, muda-se a lei, afirmam abertamente em Brasília.
Leia + no Novo Jornal

2 comentários:

Anderson disse...

O link da matéria está corrompido. Não tem maiores informações. Será que isso é verdade mesmo?

Anônimo disse...

Sobre Robson Andrade:
Moro em Miami e conheci o Robson antes de entrar para a Fiemg. Ja era mais que rico. A Fiemg que precisa dele. Ele nao precisa dela. Ele tem associacoes com empresas multinacionais. Assim da um peso maior e internacional a Minas Gerais. Coisa que falta ai. Precisamos de empresarios como ele. Estilo Sao Paulo....Quantas pessoas ele emprega?