Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

4 de jan de 2008

Patrus para presidente do Brasil

"Há gente que usa argumento do tempo da escravidão contra o Bolsa Família"

O ministro do Desenvolvimento Social (MDS), Patrus Ananias de Souza, advogado, fundador do PT, ex-prefeito exemplar de Belo Horizonte, católico praticante, é um defensor intransigente do programa Bolsa Família. Diz que o programa veio para ficar. É fundamental para o desenvolvimento da pessoa humana, numa sociedade perversa com 11% da população analfabeta e excluída de tudo. Uma herança maldita de 500 anos.
Quando críticos do programa Bolsa Família o classificam de assistencialismo por inibir o empreendedorismo, ele bate duro. Essa gente dá as mesmas justificativas dos que eram contrários ao fim da escravidão no Brasil. Eles diziam que os negros não deveriam ser libertados porque jamais conseguiriam progredir. Como empreender sem ter sequer o básico para a sobrevivência? De barriga vazia a pessoa sequer tem condições de pensar direito. Patrus defende que o Governo Lula aumente os recursos para os mais pobres. Precisamos investir para permitir a inclusão e a emancipação dos menos favorecidos. A enorme dívida social do Brasil se reflete na desagregação das famílias, no baixo índice de desenvolvimento econômico em regiões inteiras e nas altas taxas de violência.

Nenhum comentário: