Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

22 de jan de 2007

FHC diz que já tem a chapa à Presidência em 2010: Serra/Aécio

Mal resolveu a crise que ameaçava rachar o partido, Fernando Henrique Cardoso disse em entrevista a rádio CBN que já tem pronta uma solução para evitar um longo e desgastante enfrentamento entre José Serra e Aécio Neves na disputa pela indicação presidencial em 2010, como já ocorrera em 2006. A fórmula é simples e engenhosa: o ex-presidente arquiteta uma chapa para a próxima eleição presidencial, com Serra para presidente e Aécio para vice.
A fórmula propõe que os dois firmariam um compromisso prefixado de, vencendo as eleições, lutar para extinguir a reeleição - o que daria condições e tempo a Aécio para se consolidar como candidato do partido em 2014 e juntar força suficiente para enfrentar o eventual retorno de Lula, que então terá 69 anos.
A fórmula - já conhecida nos ninhos tucanos paulistas e mineiros e bem recebida nos dois - tem três grandes virtudes. A primeira é acomodar os dois maiores líderes tucanos num acordo que lhes permitiria atravessar em harmonia os quatro anos até a próxima eleição; a segunda, garantir a unidade do partido até lá; a terceira, somar os resultados administrativos dos dois governos estaduais para apresentar na eleição.Entusiastas da fórmula-FHC exaltam outra virtude: com ela, o partido se sentiria empolgado e aprumado para um objetivo que nas duas últimas disputas lhe passou distante - a vitória numa eleição presidencial. Essa empolgação, alegam, é o melhor combustível para aplainar crises. Com essa perspectiva no cenário, mesmo estando num horizonte distante, o partido se uniria naturalmente

Nenhum comentário: