Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

20 de nov de 2008

Lula descarta Saraiva e mantém Temporão

O presidente Lula descartou qualquer reforma ministerial em seu governo e enviou um recado ao PMDB sobre o ministro da Saúde: "O Temporão é meu ministro, ele fica".
Na semana passada, Temporão reclamou da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) pela má qualidade dos serviços públicos prestados e constante foco de corrupção (coisa que não é novidade, conforme atesta o MPF em diversas ações).
A direção da Funasa é indicação da bancada do PMDB na Câmara, o que gerou mal-estar no partido. Deputados cogitaram a troca de Temporão (que também é filiado ao PMDB) por outro nome do partido, o mais cotado é ex-ministro da Saúde, Saraiva Felipe.
Não seria mais sensato os "nobres" deputados peemedebistas trocarem a cúpula da Funasa?
Não é o que pensa o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), que apadrinha Danilo Forte, presidente da Fundação.
Segundo Alves, a Funasa será enquadrada, mas Danilo Forte fica.
Apesar de Temporão ter cedido por hora em manter o comando da FUNASA, na prática esvaziou o órgão, retirando poderes, ao criar a Secretaria de Atenção Básica e Proteção à Saúde, que vai administrar a saúde indígena, entre outras coisas.
O PMDB, embalado pelos bons resultados nas eleições municipais, vinha pressionando para assumir mais ministérios, como se o bom desempenho do partido já não fosse, em parte, pelo fato de estar na base governista.
Um dos alvos preferidos do PMDB (também já rechaçado pelo presidente) era a pasta da Justiça, por insatisfação com a independência da Polícia Federal, cujas investigações atingiram diversos políticos corruptos do partido.
Apenas uma perguntinha: Saraiva é Kassab?

Nenhum comentário: