Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

10 de nov de 2008

“Estrela do PT foi entregue de bandeja”

Ex-deputado Adelmo Leão diz que prefeito de BH, Fernando Pimentel, pensou mais no seu projeto pessoal do que no partido

O atual superintendente do Instituto de Colonização e Reforma Agrária de Minas Gerais (Incra/MG), o ex-deputado estadual Adelmo Carneiro Leão (PT), voltará à Assembléia Legislativa de Minas Gerais no biênio 2009-2010, depois de dois anos de ausência.
Ele vai ocupar a vaga deixada pelo deputado estadual Roberto Carvalho (PT), eleito vice-prefeito de Belo Horizonte na chapa de Marcio Lacerda (PSB).
Adelmo Leão foi um dos críticos mais ferrenhos à polêmica aliança articulada pelo prefeito de BH, Fernando Pimentel (PT), com o governador de Minas Gerais (PSDB), para a eleição na capital mineira, cuja tese política baseou-se na convergência entre petistas e tucanos em torno de projetos para o desenvolvimento do país.
O acordo, porém, sofreu forte oposição da direção nacional do PT e rachou o partido no Estado. Parte do PT estadual não engoliu a aliança e deflagrou uma dissidência.
“Lamento profundamente o que o Fernando Pimentel fez em Belo Horizonte. Ele entregou de bandeja a nossa estrela pensando mais no seu projeto pessoal do que no projeto do partido”, declarou o petista, que já adiantou que fará oposição às pretensões de Pimentel de concorrer ao governo de Minas em 2010.
Adelmo Leão ressaltou que antes de tomar a decisão de assumir a cadeira no Legislativo mineiro, consultou o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Luiz Dulci (PT), e a direção do partido em Uberaba, sua base eleitoral.
“Estava em dúvida sobre assumir ou não a cadeira na Assembléia. Vou seguir a orientação do Palácio do Planalto e também do PT municipal. Vai ser um mandato partidário, dedicado às causas do Partido dos Trabalhadores”, explicou.
O ex-parlamentar vai reforçar a bancada do PT na Assembléia que faz oposição ao governador de Minas.
“Nos últimos anos a oposição ao governo mineiro praticamente não existiu. O PT e o governo Aécio têm diferenças de concepção de Estado e é preciso demarcar isso”, frisou.
Ataque histérico
A Comissão Executiva do Diretório Estadual do PT condenou as recentes declarações do governador de Minas Gerais, nas quais acusa o governo Lula de “extremamente perdulário”, de “pôr a ética debaixo do tapete” e de que “será perverso para o Brasil mais quatro anos do que está aí”. “Trata-se de mais um ataque histérico e sem consistência que revela, mais uma vez, a alma neoliberal do governador mineiro”, afirma o comunicado divulgado pelo PT.
Na nota, a Comissão Executiva diz ainda que espera que “essa forma deselegante de expressão, tenha sido apenas um destempero verbal de quem quer ocupar espaço na mídia nacional”.
Para o presidente estadual do PT, deputado federal Reginaldo Lopes, as declarações do governador mineiro são de “quem perdeu muito espaço no PSDB e está tentando recuperar”. Lopes classificou as críticas de Aécio de “irresponsáveis e levianas”.

Um comentário:

Ricky Mascarenhas disse...

Fiquei estarrecido com a atitude do Sr. Fernando Pimentel.