Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

2 de nov de 2007

A MORTE

CAMPANILE, Achille
Texto extraído do livro Entre a mentira e a ironia.
Umberto Eco, ed. Record, 2006
Campanile é um grande autor cômico porque é autor funéreo, e funerário, pois fala muito de cemitérios e funerais.
Suas páginas voltam obsessivamente ao problema da morte, desde as obras da juventude. Campanile extrai da idéia da morte ocasiões para pequenos sorrisos. A começar por aquele seu personagem juvenil que, à pergunta “Como se vai?”, em vez de “Vai-se vivendo”, responde: Vai-se morrendo”, e depois explica lucidamente o porquê. Leiamos esta trecho de Cantilena all’angolo della strada:
Embora se saiba com certeza que todos temos que morrer... todos, mesmo assim, ficam surpresos com o fenômeno. Quem vai ao funeral de um amigo ou de um parente tem, no fundo, a idéia de que está tratando de uma coisa que não lhe diz respeito pessoalmente. Já foram visitar uma família atingida pelo luto enquanto o finado ainda se encontra em casa? Vêem-se pessoas estupefatas, como se tivesse acontecido algum fato estranhíssimo que, desde que o mundo é mundo, nunca antes se produzira. Todos se agitam, todos demonstram seu despreparo para a coisa. Sejam os parentes, sejam os amigos. Os primeiros não mostram qualquer desenvoltura. Os visitantes pronunciam frases que, mesmo vistas com benevolência, é inevitável que sejam definidas como insensatas. [...] Não podem absolutamente ver uma lágrima. “Não chore.” “Prometa que não vai chorar.”, ordenam. Mas por quê? Há algum mal em que alguém chore? Quanto aos parentes, repetem frases desprovidas de sentido comum: “Não devia morrer”; “Quem poderia imaginar?”, e outras, admissíveis somente se o fenômeno da morte estivesse se apresentando pela primeira vez no mundo.[...] Surpresa? Mas estão malucos?

Leia o texto completo AQUI no blog do Cabaré

Nenhum comentário: