Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

18 de set de 2007

Índio é espancado até a morte

Um índio da tribo Xacriabá foi espancado até a morte por três jovens, entre eles dois menores de idade, na madrugada de domingo, na cidade de Miravânia, Norte de Minas Gerais. Conforme a Polícia Civil, o índio Avelino Nunes Macedo, 25 anos, foi seguido pelos jovens depois de sair de uma festa realizada em um ginásio. As agressões foram motivadas por um esbarrão durante a festa. Edson Gonçalves Costa, de 18 anos, e outros dois de 16 e 15 anos confessaram as agressões. Mas, alegaram que não tinham a intenção de matar a vítima. Disseram que queriam apenas dar um susto no índio e deixá-lo nu. Eles também confessaram que tinham ingerido bebida alcoólica. De acordo com o delegado da cidade de Manga, Airton Alves Almeida, os três foram autuados por homicídio qualificado, por motivo fútil. "O índio deu um esbarrão natural em um dos menores, o Gilvando. Então na saída resolveram tirar a roupa dele, que estava com uma calça comprida e uma blusa", contou ontem o delegado.
O xacriabá tentou reagir, mas foi derrubado e agredido a pauladas, socos e pontapés. "Esse assassinato por motivo fútil talvez tenha sido gerado por um preconceito étnico", observou Almeida. Segundo o delegado, o índio não portava faca ou qualquer objeto que pudesse ameaçar os agressores. Edson Gonçalves permanecia ontem preso à disposição da Justiça. Os dois menores foram encaminhados para o Ministério Público e tiveram a apreensão provisória solicitada. Um quarto jovem foi inocentado pelos colegas e liberado pelos policiais.
O coordenador da regional leste (MG, ES e Sul da Bahia) do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Wilson Mário Santana, disse que a entidade iria solicitar que a Fundação Nacional do Índio (Funai) acionasse sua assessoria jurídica para acompanhar o caso. "A comunidade Xacriabá é formada por uma população grande", afirmou.

Território

O Cimi informou que cerca de oito mil xacriabás vivem no Norte do Estado, numa área estimada em 54 mil hectares. Com base em uma documentação de doação datada da primeira metade do século XVIII, eles reivindicam a ampliação do território, o que costuma gerar atritos com fazendeiros da região. A maior parte da reserva está localizada no município de São João das Missões, a 663 quilômetros de Belo Horizonte), cujo prefeito, João Nunes de Oliveira (PT), pertence à etnia. No final dos anos 1980, três líderes xacriabás foram assassinados durante um conflito fundiário.
De acordo com Nilton Seixas, do Cimi em São João das Missões, o assassinato ocorreu em uma área reivindicada. Em junho último, agentes da Polícia Federal realizaram uma operação em São João das Missões para apreender armas em poder dos xacriabás. As próprias lideranças indígenas solicitaram a ação ao Ministério Público Federal (MPF).
Manoel Rocha, administrador substituto da Executiva Regional da Funai em Governador Valadares (MG), tratou o assassinato como uma "molecagem" e um "caso isolado". Segundo ele, a Procuradoria do órgão irá agora "tomar as providências cabíveis".
Eduardo Kattah, da Agência Estado.

Nenhum comentário: