Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

8 de out de 2006

XX Salão Nacional de Poesia Psiu Poético


Montesclarospoéticacontemporânea
Para quem visita o XX Salão Nacional de Poesia Psiu Poético a recepção é em grande estilo. Cartazes com fotos, biografia e poemas de Mirna Mendes, Renilson Durães, Estrela Leminski, Menezes Y Morais, Wilmar Silva, Guilherme Zarvos e Arnaldo Antunes, homenageados dessa edição do Psiu, dão boas-vindas aos amantes da forma literária que melhor traduz o amor e inquietações da alma: a poesia.
Com temas instigantes, cortinas poéticas com mais de mil títulos de poetas de todo país compõem exposição no Centro Cultural(fotos: Wilson Medeiros)
Cortinas de material reciclado, pintados e cobertos por mais de 1000 poemas e poesias enviados por 600 poetas de todo país recebem títulos instigantes - Beijo, Espelho, Ventre, Bezerro, Casca, Mudas - formando um labirinto que inebria os sentidos e revigorar o espírito.
Em cada canto uma exposição de objetos literários feitos a partir de material reciclado, um detalhe, um toque mágico que mistura artes plásticas, letras e imagens, atraindo a atenção até dos mais desavisados.
No meio do labirinto, entremeado de versos, o painel concebido por Arlete Aguiar e Cia Artéria e produção coletiva, em homenagem à memória do terno e, ao mesmo tempo vigoroso, Igor Xavier, arremete à nostalgia e à saudade daquele cujo corpo se foi, mas ficou o rastro de luz que sua arte irradiou pelos palcos desses claros montes.
LEIA MAIS AQUI

Nenhum comentário: