Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

4 de out de 2006

SOCORRO!!! PSDB NUNCA MAIS


Se Alckmin ganhar, adeus Petrobras, adeus Correios,
adeus CEF, adeus Banco do Brasil, adeus Brasil
Tá me dando um frio na barriga. O ex-ministro das Comunicações no governo FHC, Luiz Carlos Mendonça de Barros, é um dos principais articuladores do programa de governo do Alckmin (PSDB). Três itens do programa indicam que o rumo a ser adotado, no caso de vitória da direita, será mesmo o da privatização.
No capítulo sobre política energética, o programa de Alckmin diz que o tucano irá "Estabelecer parcerias com a iniciativa privada para o crescimento do setor (de energia)"; "Incentivar a participação da iniciativa privada em companhias de distribuição de gás natural" e "Incentivar a entrada de novos agentes no mercado de refino e transporte de petróleo e gás natural".
É uma proposta disfarçada de privatização. Apesar do oportunismo e da hipocrisia, Mendonça de Barros já deixou escapar para a imprensa a verdadeira intenção. Ele defende abertamente a entrega do patrimônio público do país. Ele quer privatizar, não somente a Petrobrás, mas os serviços portuários, as estradas de rodagem, o setor elétrico, os Correios, os bancos estaduais, a CEF, do Banco do Brasil. É o guru econômico de Alckmin – fragilizou a economia de São Paulo com uma onda de privatizações.
Essa gente é criminosa, de paletó e gravata. Se aqui fosse Cuba eles iriam para o paredón.
LEIA MAIS:

Nenhum comentário: