Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

18 de out de 2006

Montes Claros: da construção ao progresso - 1917 a 1926


Da construção ao progresso: um período da história de Montes Claros narrado pelo professor Gy Reys, um dos seus muitos filhos

Sob o sugestivo título de Montes Claros - da construção ao progresso 1917 a 1926, surge o primeiro livro do professor Gy Reis. Narrada em linguagem fluente e agradável, a exemplo das melhores obras clássicas produzidas sobre o cotidiano do povo norte-mineiro, Montes Claros - da construção ao progresso 1917 a 1926 nos remete a um período de grandes transformações políticas, econômicas e sociais, traduzidas no burburinho do dia a dia da sociedade provinciana de uma cidade de ruas escuras, com calçamento de pedras, sem iluminação, água encanada ou rede de esgoto, e com cavalos como principal meio de transporte - só por volta de 1924 surgiriam os primeiros automóveis pertencentes às famílias dos coronéis-, mas que viria a se tornar a quinta maior do estado.
De natureza irrequieta, Gy Reis dá um novo passo e agora lança seu primeiro livro, onde conta aos montes-clarenses a história da cidade que adotou como sua, acrescentando a ela uma parte de si mesmo. Para quem souber ler, tudo nela é forte, bela e impecavelmente real, mas que se multiplica em mil fragmentos de memória resguarda pelos que dela fizeram parte, e em mil perspectivas para aqueles que fazem do passado um aporte para a compreensão e vislumbre de um futuro sem amarras (foto: Adriana Queiroz)
O livro narra a história da época em que chegou a energia elétrica, ainda que precária, e que foi instalada de forma definitiva a Estrada de Ferro, vinda de Bocaiúva/MG (1924 – 1926). A chegada da locomotiva rompeu as barreiras do coronelismo e da estagnação, desencadeando novos comportamentos e conceitos, ampliando fronteiras e acirrando a disputa pelo poder político.
Nesse período Montes Claros já estava inserida no contexto nacional e até abastecia cidades vizinhas com os alimentos que produzia, através do ir e vir dos tropeiros, que também traziam mercadorias para abastecer o comércio local. Era uma cidade de armazéns, feiras, com uma variedade de produtos que iam do fumo e rapadura - na época usada em lugar do açúcar – à produção agropecuária.
Não havia clubes ou bares e os bailes eram realizados em grupos escolares. Médicos, advogados, engenheiros e farmacêuticos eram os grandes profissionais da época, e também eram professores. Mas a grande estrela era mesmo o tropeiro, que no lombo de seus burros transportavam aos sertões mais longínquos mercadorias, sonhos, amores, esperanças. Também disseminavam as tradições, os costumes, fortalecendo a cultura regional, além trazer as novidades e feitos de outras terras.
A obra sugere uma viagem instigante ao passado, atravessando nove anos da real história montes-clarense debruçada sobre a leitura de mundo do autor, para aprender mais sobre suas origens, mas sem esgotar histórias.
Repórter: Jerúsia Arruda jerusia@onorte.net - www.onorte.net
LEIA MAIS AQUI

Nenhum comentário: