Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

28 de jul de 2009

Caso CESU dorme em berço esplêndido



Nem CQC, nem Ratinho, nem Balança Minas, nem InterTV (que só passa oque Tadeu quer ver), muito menos a TV Pequi, que também faz parte da cota de Tadeu, via Marcos Maia - que virou até “conselheiro” da Fundação Genival Tourinho, montra as irregularidades do prefeito de Montes Claros, o ficha-suja Tadeu Leite, do PMDB.

Ele é investigado pela Justiça e responde a vários processos, mas continua ileso. Mesmo tendo sumido com dinheiro que deveria ter sido empregado na construção de uma escola, bem ao lado da atual sede da prefeitura, o CESU –Centro de Ensino Supletivo -, mas que hoje se resume a meia dúzia decolunas de ferro.

O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais para dizer que trabalha, pune até quem participa de culto evangélico, como ocorreu com o ex-prefeito Athos Avelino, que foi julgado na primeira e segunda instância em menos de seis meses, perdendo os seus “direitos Políticos”. Mas quem deveria ser punido ele deixa o processo caducar. O caso CESU tramita no Tribunal de Justiça de Minas Gerais sob o número 1.0433.01.038756-4/0001, e chegou até bloquear os bens de Tadeu, para garantir o pagamento dos milhões de reais em prejuízos causados aos cofres públicos entre 1993 e 1998. Não custa lembrar que o caso CESU continua dormindo em sono profundo no Fórum de Montes Claros sem nenhuma decisão. Igualzinho o caso dos vereadores pombos-correio.













Nenhum comentário: