Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

28 de jun de 2007

Lula rouba a cena de Aécio em anúncio de verbas do PAC em Minas

O novo jeito de fazer política, com troca de amabilidades e conversa ao pé do ouvido com tucanos, ainda não foi bem assimilado nas bases eleitorais do Presidente Lula. Não adiantou Lula trocar confidências com o governador Aécio Neves (PSDB) durante com toda a solenidade de anúncio de verbas do Plano de Aceleração de Crescimento (PAC) em Minas para fazer a platéia, cerca de 1,7 mil pessoas, compreender o recado.
O governador de Minas acabou vaiado, ontem, no maior teatro do seu Estado, o Palácio das Artes. A popularidade do Presidente Lula junto às camadas mais populares ofuscou o brilho do governador mineiro Aécio em seu próprio território. O jeito de fazer política de Lula pode ser novo, mas, pelo que se viu ontem, o entendimento do seu eleitorado ainda é o antigo: tucanos são inimigos. Incluindo o governador Aécio, que já foi criticado por priorizar o déficit zero cortando gastos sociais.As vaias foram ficando mais sonoras e fortes a cada vez que o nome do governador era citado. Uma pequena claque pró-Aécio, com bandeiras tucanas em punhos, bem que tentou mas não conseguiu abafar a manifestação .

O anúncio das verbas para Minas - um total de R$ 3,6 bilhões - ocorreu em clima dos melhores eventos de campanha com a presença do ministro Patrus Ananias, além do próprio Lula - sendo ovacionado pela enorme platéia. Quase levitando - como Lula mesmo se definiu naquele momento - Lula foi recebido com carinho pelo povo.Neste ambiente desfavorável, sobrou para Aécio Neves fazer o que sabe fazer bem, discurso político. Foi logo dizendo que, apesar de ser do partido de oposição, como homem de bem reconhecia o empenho do governo Lula para um "entendimento democrático". Superar constrangimentos partidários, deixou claro, não é problema para ele. Não perdeu a oportunidade de posar como grande defensor dos interesses de Minas, cobrando a inclusão de duas obras num "segundo tempo do PAC", a conclusão das linhas de metrô de Belo Horizonte e a ampliação do Aeroporto Tancredo Neves.

Falando para uma maioria de representantes de movimentos populares , o Presidente Lula garantiu que, sem a pressão da reeleição, poderá fazer mais e melhor pelo Brasil. "Vou aumentar o Bolsa Família sim", prometeu. "Você não sabe, Aécio, a tranquilidade que é não ter de disputar reeleição", brincou.O Presidente admitiu que não está tudo pronto no país. "Apenas tiramos o paciente do coma que estava", explicou. "O paciente está na rua fazendo ginástica, para ficar robusto e não voltar ao hospital.Segundo o principal benefício das obras do PAC são, a partir do momento que os prefeitos fazem as licitações, a geração de emprego e renda. Porque as construtoras vão abrir novos postos de trabalho, com salários os trabalhadores vão voltar a consumir e isso inicia todo um processo de pujança nos Estados.O Presidente afirmou que se angustiava com a limitação do endividamento dos Estados que não podiam fazer investimentos. Segundo ele, Estados que ao contrário de São Paulo e Minas - que já tiveram seus limites de endividamento ampliados - não puderem contrair novos empréstimos, vão poder contar com a União para não prejudicar a população local. Quarenta e três municípios mineiros serão beneficiados pelas verbas anunciadas ontem. Do total de R$ 3,6 bilhões, R$ 3 bilhões são recursos federais. A contrapartida do Estado será de R$ 279,7 milhões. A dos municípios, 328,6 milhões.

Nenhum comentário: