Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

24 de jun de 2007

Cassado registro de filantropia de grupo empresarial de Ruy Muniz

Deputado do DEM-MG, que já foi condenado por golpe de 1 milhão de dólares ao Banco do Brasil, é acusado pelo INSS de fraudar concessão de bolsas de estudo

O Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS) de Montes Claros, acatando denúncias de fraudes apontadas pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), cancelou nessa segunda-feira (18), o registro de entidade beneficente de utilidade pública da Associação Educativa do Brasil (Soebras), pool de faculdades, colégios e empresas de comunicação do deputado estadual Ruy Muniz (DEM, ex-PFL). Este não é o primeiro escândalo envolvendo o deputado. Em 1988, ele foi condenado e preso, ao lado de comparsa, por golpe de 1 milhão de dólares ao Banco do Brasil, sendo enquadrado, à época, em 6 artigos do Código Penal: falsificação de documento público; uso de documento falso; falsidade ideológica; estelionato; prática de crime continuado e formação de quadrilha.
Segundo o relatório que orienta a cassação do registro, os auditores da Previdência, que investigaram toda a documentação da Soebras no período de janeiro de 1994 a julho de 2004, denunciaram que a entidade não apresentou comprovação de carência dos alunos tidos como bolsistas da entidade, ou seja, que eles integram o público-alvo da assistência social, o que garantiria sua inclusão como entidade de utilidade pública. Em defesa encaminhada ao CMAS, a Soebras contesta a informação, mas, segundo o relator do processo, conselheiro Eduardo Rodrigues Madureira, não apresentou nenhum elemento que pudesse comprovar a carência.
Para receber recursos das diversas esferas de governo, bem como isenção fiscal para exercer suas atividades, a Soebras deve oferecer, no mínimo, 20% das vagas de suas instituições de ensino gratuitamente a pessoas carentes. “A Soebras enviou apenas relações de alunos supostamente beneficiados com gratuidade nos anos de 2002 e 2003. Tais relações consistem em cópias, grande parte reproduzidas com redução, imprimindo quatro páginas originais em única folha, de forma que a letra ficou tão pequena que mesmo para pessoa que enxerga perfeitmente é praticamente impossível ler o que está impresso. Em muitas folhas os nomes dos alunos foram perfurados, ficando impossível ler o início das palavras. Outras estão borradas e ilegíveis ou posicionadas de cabeça para baixo. É uma conduta que representa desdém e insulto ao CMAS, além de impossibilitar qualquer conferência”, lamenta o relator, que completa: “É possível que a Soebras tenha sonegado os questionários socioeconômicos simplesmente porque eles não existem”.
A Soebras alega que dados completos das pessoas beneficiadas com gratuidade são permanentemente apresentados aos Ministérios da Previdência, da Educação e da Justiça. “Ora, se a Soebras tem os dados prontos, porque forneceu ao CMAS informações tão precárias?”, questiona Madureira.
Na relação de alunos supostamente beneficiados com gratuidade, a SOEBRAS incluiu pessoas cujas mensalidades foram pagas integralmente pelo governo federal e pelo Estado de Minas Gerais. “O fato de as mensalidades não terem sido pagas pelos próprios alunos não implica em gratuidade, pois, se assim fosse, alunos cujas mensalidades foram pagas por seus pais ou responsáveis também teriam que ser incluídos nessa relação, o que é um absurdo. Gratuidade existe quando a entidade admite aluno sem cobrar mensalidade dele ou de qualquer pessoa física ou jurídica”, contesta o relator.
Segundo as apurações, os recursos recebidos em decorrência dos contratos firmados pela Soebras com os governos estadual e federal cobriram integralmente os gastos com os alunos abrangidos e ainda renderam altos lucros à entidade, que só ano de 2002 chegaram a mais de R$ 2,2 milhões, conforme demonstrações contábeis apresentadas pela própria entidade. Os alunos cujas mensalidades foram pagas pelos governos federal e estadual chegaram a representar 81,93% de todos os alunos da Soebras.

3 comentários:

Anônimo disse...

Sou aluno da funorte!!!
E sei que, aqui só recebe bolsas de estudos,amigos, vereadores e familiares que contribuem diretamente ou indiretamente para com a imagem do nosso "amigo" prof. Ruy Muniz. Não sei o porque do MEC fazer tantas vistas grossas com nós alunos da intituição. Me parece que eles são cegos pois não viram as reclamaçãoes dos alunos de biomedicina na porta da intituição(onde estavam presentes avaliando os cursos de veterinaria e zootecnia) e não sabem que já faz mas de dois mês que a primeira turma de farmacia não tem aula. Sem falar de professores fantasmas da intituição. Me perguntaram, se a funorte é assim, é so mudar de faculdade! Mas é ai que a coisa se complica. Motivados pelo "prof." e seu idealisadores eu e assim como muitos alunos fomos inceridos ao financiamento proprio da faculdade por não ter condiços financeiras(isto é a filantropia da soebras).
Quando mencionados sobre a filantropia eles alegam: " são as bolsas do Prouni,e o financia mento proprio se vc tiverssr feito o enem, provavelmente teria desconto". Olha não estou mundado de assunto, quando foi pegar transferencia para outra faculdade não pude pois teria que acerta, pagar, o financiamento sem falar que as materias das outras intituição são mais complexas, o que fazen repetir periodos ou fazer muitas adaptações, olhe e compare. A exemplo temos o curso de educação fisica que eram bacharel e licensiatura juntos. Mas, não sabemos o porque mudaram e separaram as turmas sem havisar os academicos. Ou seja. Se eu havia matriculado no curso para se bacharel e licenciarua ao mesmo tempo agora não posso porque só irei forma em um dos dois. Temos como segundo exemplo o curso "superior" farmacia generalista, para que não sabe se trata da nova portaria do mec que proibi o curso de farmacia-bioquimica e farmacia-industrial e criou o curso de farmacia-generalista que se trata de analise clinica e industrial em conjunto ao mesmo tempo. Mas outra vez a intitução enganaram ou alunos, dissipulando que se quisem fazer analise clinica teriam que fazer biomedicina. E que farmacia generalista só mexe com medicamentos.
Hoje. Se fizemos uma pesquisa em Montes Claros e Cidades do Norte De Minas poderemos comprovar que a cada 10 familias da classe media 4 à 6 estam comtribuindo para almentar a polpança do nosso amigo Ruy. Isto é feito da seguinte forma:
O individo induzido pelo quadro de probreza da regiam e tentativa de mudar o quadro socio-economico de sua familia e provindo da falta de estudo e conhecimento erdado do nosso "belo" sistem púplico de edução. Matricula-se e financia um curso tecnico com Ruy, ao termino de 2 anos, começa a trabalhar para pagar o financiamento, quando termina, matricula-se em um curso superior financiado, ao termino de 4 anos. Começa a pagar as prestações do financiamento, mas quando é forando...
Se surpreende, pela falta de contato,falta de conhecimento adeguado e pela disputa de mercado de trabalho, ou que provoca a falta de emprego e o cressente juros do financiamento. Agora a soebras já se lança no mercado com a pós graduação financiada.
O que invejo de Ruy é como ele conceguiu tudo isso. Mesmo sabem do seu passado muitos o veneram.

Anônimo disse...

Sou aluna da faculdade Unicesp em Brasilia, há dois meses estamos sem aula pois os donos cretinos da instituição estão brigando na justiça e a unica coisa que nos alunos sabemos é que a briga é grande e que um está roubando o outro. Acontece que está semana foi anunciada a venda da faculdade e um novo dono foi apresentado, e adivinhem quem é, o Sr. Deputado Ruy Muniz dono da Soebras. Todos ficamos muito felizes com a novidade que garante nossa formação sem prejuizos maiores de atrasar a data da formatura, mas como eu já estava tão desmotivada com toda essa historia que passamos, hoje resiolvi pesquisar sobre nosso "querido novo mantenedor" e me deparei com essas noticias sobre sua vida profissional, com o rombo ao BB, com a prisão em 1988, com as falcatruas contra o INSS, alias contra ao povo. Agora eu pergunto: saimos de uma tragedia para entrarmos em outra? Acredito que agente não pode acreditar em tudo que lemos na internet, mas em quem acreditar se em toda essa historia agente só é lesado de todas as partes... Ai meu Deus, onde agente vai parar, o que fazer para concluirmos nossa tão suada formatura, em quem acreditar????

Anônimo disse...

Pois é, e esse sujeito ainda pensa em ganhar as eleições. Deus não vai deixar pois se isso acotecer ele será um outro Collor.