Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

20 de mai de 2009

Prefeito ficha-suja Tadeu Leite desafia Ministério Público

O prefeito de Montes Claros, Luiz Tadeu Leite, afirmou, na manhã de ontem, que não acatará a recomendação do Ministério Público e manterá o preço da tarifa do transporte coletivo urbano em R$ 1,90. Segundo ele, se fossem adotadas as medidas propostas pelos promotores de Justiça, a passagem teria que ser reajustada para R$ 1,98 e, com o arredondamento, passaria para R$ 2.
O prefeito criticou o promotor Felipe Gustavo Gonçalves Caires, da 13ª Curadoria do Ministério Público, alegando que a recomendação o desestabilizaria politicamente. Por isso, decidiu aguardar a ação judicial a ser impetrada pelo órgão, para então apresentar sua defesa. Na última quinta-feira, o Ministério Público deu prazo até ontem para a prefeitura suspender o reajuste do preço da tarifa de ônibus, que passou a vigorar em 13 de abril, aumentando de R$ 1,55 para 1,90.
A principal alegação do MP é de que haveria irregularidades na planilha que estabeleceu o reajuste. Ontem, o promotor Felipe Caires afirmou que somente iria manifestar-se quando terminasse o prazo concedido ao prefeito.
(...) O prefeito afirmou que se dispõe “a entregar, de bom grado, o gerenciamento do transporte coletivo ao Ministério Público, pois há impactos negativos e positivos quando é preciso conceder o aumento da tarifa”. Ele criticou a postura do promotor Felipe Gustavo Caires, que “teve forte influência na administração anterior e ainda participou de todo processo licitatório do serviço, no ano passado”.

5 comentários:

Anônimo disse...

Essa é a primeira caixa preta que o Ministério Público está abrindo. Quando abrir as outras, a começar por essa rede de dragagem que está sendo feita perto da prefeitura, no fundo da escola normal, vai descobrir muito mais canos furados. E quem tá pagando esses canos de cimento?

Anônimo disse...

ESSE PREFEITO NÃO TEM JEITO MESMO...TÁ VENDO ELEITORES DE CABRESTO, ESSE É O PREFEITO QUE VOCES VOTARAM, AGORA 'GUENTA' !!
PARABÉNS AO PROMOTOR, POR FAVOR CHAMEN A POLICIA FEDERAL!!!

Anônimo disse...

O Sr. Luis Rateu Leite, mais uma vez, tenta desqualificar o Poder Judiciário, insinuando que o atuante e corajoso Promotor Felipe Caires, era favorável à administração de Athos Avelino. Mas isto é fruto do ódio e do rancor que o déspota sente em relação à figura de um dos Promotores que mais atuantes na defesa do cidadão montesclarense e, foi um dos autores da Ação Judicial que visa a cassação do mandato fraudulento do Sr. Rateu Leite.

Anônimo disse...

Realmente o prefeito não é dos melhores. Parabéns ao MP e ao Promotor pela coragem em desmascará-los e mostar à sociedade de Montes Claros a verdade!

cléo disse...

não é somente no transporte público que a atual administração está em falta com o cidadão, a saúde vai um horror; a limpeza pública, péssima.sob alegação de falta de verba...mas o que dizer de mais de 500 mil investidos no time de volei importado sob alegação de Fundação(que não tem nenhum jogador natural da cidade)A politica do atual prefeito é antiga para o povo: PÃO E CIRCO.
ainda bem que o Dr. Felipe Caires está atento.
Pena que quem colocou o prefeito no poder tem pouca informação da realidade e memória curta,pois são os que mais sofrem.