Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

4 de jun de 2008

Não basta ser vice, tem que ParTicipar

A vitória no primeiro round de Sued, graças ao apoio da articulação, liderada por Alfredo, que na última hora, como sempre, não cumpriu com a palavra, e descarregou seus votos na chapa Sued, deixou o partido literalmente partido.
Sued Botelho precisa juntar os cacos. Não pode continuar com uma assessoria gardenal e nem sendo massa de manobra de Gilmar Ribeiro, que parece mais um secretário municipal do PPS e não do governo Athos.
Estranha em tudo isso, como uma balança pesando de um só lado, foi a participação do ex-deputado Rogério Correia, que discorda da aliança do PT em BH com o PSB, com o apoio do PSDB, mas trabalhou pesado para continuar a aliança com o PPS em Montes Claros, partido que faz nacionalmente oposição acirrada ao governo Lula e que a direção nacional também excluiu do campo da aliança, juntamente com o PSDB e o DEMO.
Estranho também foi o apoio do PTB, que até ameaçou indicar um vice, caso o nome de Marcos Maia fosse o indicado.

Mais estranho foi o portal do
PPS em Minas repercutir a matéria do jornalista Girleno Alencar, do Hoje em Dia, dizendo que foi zebra a indicação de Sued.

Mas é preciso destacar que foi a minoria de BH que reverteu a situação. Portanto...

2 comentários:

joaofigueiredoredpoesia disse...

Companheiro Gusmão, tenho imenso respeito pelo seu trabalho como jornalista que, confesso, me serve de modelo e inspiração; temos, também, muito em comum no campo ideológico, entretanto, permita-me protestar contra determinada generalização, e você sabe a que estou me referindo, pela carga de injustiça que ela encerra: aliás, deves saber muito bem que não apenas esta ou aquela, mas toda generalização é injusta...
Grato, João Figueiredo.

Luís Carlos Gusmão disse...

Companheiro João,

o termo companheiro é dirigido a você não apenas como uma formalidade, mas com sinceridade.Você sabe que a crítica não é dirigida à sua pessoa. Tenho comentado, inclusive, que sua presença reduz o marasmo existente no gabinete, departamento que deveria, fosse outro o vice-prefeito, ser valorizado e servir como local de tomada de decisões, inclusive no campo político, como forma de mostrar a importância e competência do PT como principal aliado do governo municipal. Isso era feito na época em que estava lotado no gabinete o companheiro Christiano Lorenzato, infelizmente por breve período, depois do qual tudo voltou a ser como antes, com alguns “malas” inviabilizando qualquer iniciativa nesse sentido.