Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

2 de jul de 2008

Lei seca: acidentes não são fatalidades. São evitáveis.

A chamada “Lei seca” na fiscalização do transito de motoristas foi uma medida necessária. As mortes no transito no Brasil mataram e mutilaram nos últimos anos muito mais pessoas do que as ultimas guerras intervencionistas dos EUA no Iraque, Afeganistão e Bósnia.
De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), 35% dos envolvidos em acidentes de trânsito no país tem entre 18 e 20 anos. Mais de 186 mil jovens se envolveram em acidentes nas ruas e estradas do país.
O abuso de álcool, alta velocidade e excesso de confiança, são os principais fatores que colocam esses jovens na zona de risco.
Os dados do SUS mostram que os jovens são as vítimas diretas dos acidentes de trânsito. Do total de internações relacionadas a acidentes de trânsito de janeiro a julho deste ano, 20.891 foram de jovens de 20 a 29 anos. No mesmo período do ano passado, o número foi de 20.620. No total, as internações relacionadas aos acidentes corresponderam a 15% do total que deu entrada no SUS, em 2006 e nos primeiros meses de 2007. Especialista na reabilitação de sobreviventes, o diretor da Rede Sarah de hospitais, Aloysio Campos da Paz, considera que o volume de acidentes fatais caracteriza um “genocídio” nas estradas. Entre os jovens de 20 a 39 anos se concentram 45% das mortes.
- Todo ano, o país perde milhares de jovens que deveriam estar no mercado de trabalho, e há um número ainda maior de pessoas com lesões irreversíveis - afirma Campos da Paz.
Pesquisadora do Instituto Claves, ligado à Fiocruz, Kathie Njaine sustenta que grande parte das vidas perdidas no trânsito poderia ter sido poupada:
- Esses acidentes não são fatalidades. São evitáveis.

2 comentários:

Anônimo disse...

SAO EVITAVEIS PARA QUEM ESTA NO VOLANTE, NO CASO DA DRA. REGINA MOSCARDINI ALVARES QUE FOI ATROPELADA DOMINGO 03/08/2008 NA PORTA DE SUA RESIDENCIA FOI UMA FATALIDADE, POIS FOI UM ATROPELAMENTO SEM SOCORRO E ELA FOI A ÓBITO. TEMOS QUE ACHAR ESSA PESSOA SEM CORAÇÃO, E PUNI-LA POIS ATROPELAR E NAO SOCORRER E CRIME.
TATIANA SOUZA
ANNACELLY@HOTMAIL.COM

Anônimo disse...

Seria evitável, talvez se a lei seca estivesse realmente sendo aplicada no rigor de sua importância, qual seja - DEFENDER A VIDA.-Dra. regina Moscardini exauriu-se na calçada qual 'cachorro abandonado'.Foi doado seus orgãos, pois de quem sempre lutou em prol da vida,na morte não poderia ser diferente.De seu irmão com muita dor e saudade!