Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

2 de fev de 2008

Matilde Ribeiro, mais uma vítima da mídia de direita

Matilde Ribeiro, que se demitiu da Secretaria Especial de Promoção de Políticas de Igualdade Racial (SEPPIR), estava na equipe do presidente Lula desde 2003 quando a pasta foi criada.
Nasceu em Flórida Paulista (SP) em 1960 e é assistente social com mestrado em Psicologia Social na PUC-SP. Foi operária, recepcionista, auxiliar administrativa e assistente social. Militou em movimentos de mulheres e de negros e no PT. Trabalhou em ONGs e nas prefeituras de Osasco, São Paulo e Santo André, além do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e no Centro de Estudos sobre Trabalho e Desigualdades.
A vida de Matilde Ribeiro é um exemplo. Sua vida pessoal foi sempre marcada pela honestidade e responsabilidade.
Matilde Ribeiro pediu demissão da SEPPIR abalada com as acusações feitas pela imprensa sobre o suposto uso indevido do cartão corporativo. Matilde Ribeiro admitiu o erro administrativo que a mídia golpista transformou em escândalo político. A verdade é que Matilde Ribeiro, para trabalhar, era obrigada a usar o cartão corporativo para lugar veículos em suas viagens. A mídia de direita transformou a despesa incorreta de R$ 461 (quatrocentos e sessenta e um reais) num free shop em escândalo, embora o erro já tivesse sido sanado com a devolução da quantia. Para fazer funcionar um ministério e levar a promoção da igualldade racial aos estados, R$ 171 mil não é nada. E ela era obrigada a isso por falta de estrutura e orçamento. Não houve nenhuma "farra". Mas, como o noticiário se avolumou, o presidente Lula pediu o cargo. A direita ganhou mais essa. Mas, a luta continua, mesmo com o silêncio da turma do "racismo institucional".
Assista AQUI o vídeo do pedido de demissão de Matilde Ribeiro.

Um comentário:

maria disse...

Permita-me apimentar este blog ZERO
(zero acessos+zero idéias).
Antes mesmo de ver seu perfil eu já sabia: petista de carteirinha,morando numa cidadezinha interiorana (participas do MST? Como invasor?),louquinho para arrumar uma boquinha igual a da Matilde.
Matilde precisava do cartão para trabalhar? Com a grana torrada em aluguéis de autos,freeshop e cachaçaria na Vila Madalena (sabe onde fica?) a apologista do racismo mão única (negro pode/deve se insurgir contra o branco OPRESSOR) poderia,se fosse HONESTA,comprar pelo menos 03 autos para locomoção.Qto a conspiração das "Zelites" e da mídia de direita contra este bastião [ou (Se)bastiana do movimento negro] faço o desafio:liste pelo menos 03 ações concretas realizadas por esta sra.
E publique neste "bloguinho copia e cola".O repto está lançado!Vamos debater!