Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

18 de jun de 2009

Senadores pedem reforma administrativa

Grupo suprapartidário quer eleição para novo diretor. Wellington Salgado (MG) e Tasso Jereissati (CE) trocaram farpas
Senadores pediram nessa quarta-feira (17) ao presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), a demissão do diretor-geral do Senado, Alexandre Gazineo, e a adoção de uma reforma administrativa na Casa.
Gazineo substituiu Agaciel Maia, que deixou a função após a denúncia de que teria uma mansão de R$ 5 milhões que não constaria em sua declaração de renda. O pedido de demissão foi verbalizado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e faz parte de propostas de um grupo suprapartidário formado na Casa que reúne senadores do PSDB, PT, PMDB, PSB, PDT, entre outros.
A proposta de Tasso é que o diretor-geral seja eleito pelos senadores e que esta escolha aconteça em uma semana. Além da demissão do diretor-geral, o grupo pede que o candidato ao cargo seja sabatinado pelos parlamentares e apresente uma proposta de reforma administrativa, incluindo o enxugamento da máquina do Senado e a substituição de outros diretores.
A intenção exposta por Tasso é que o novo diretor tenha metas administrativas para cumprir e não possa ser reconduzido mais de uma vez à função. O presidente do Senado se manifestou favorável à eleição para diretor-geral, mas calou-se sobre Gazineo. Ele convocou uma reunião da Mesa Diretora para a próxima terça-feira (23) para discutir as medidas administrativas propostas.As propostas do grupo incluem ainda o pedido de uma investigação externa sobre atos secretos, por auditoria ou pela Polícia Federal, e a revisão dos benefícios dos parlamentares para o exercício do mandato, desde carro oficial a verba de gabinete.
Na sequencia, o senador Wellington Salgado (PMDB-MG) saiu em defesa do funcionário. Ele afirmou que a crise não pode ser colocado na conta apenas do diretor. “A responsabilidade é do Senado. Vai se abrir uma discussão aqui, colocar a culpa em um funcionário? Se existe atitude tomada errada a culpa é do Senado, da Mesa, dos líderes que se reúnem direto."
Salgado continuou criticando os colegas que propõem as mudanças. Ele fez menção à eleição do Senado em que Sarney derrotou Tião Viana (PT-AC), que contou com o apoio dos tucanos. “Estamos vivendo um grande teatro aqui. Está existindo gente em lua de mel com a derrota. Que perdeu a eleição e continua vivendo com isso."
O discurso do peemedebista revoltou Tasso. O tucano destacou o fato de Salgado ser suplente do ministro das Comunicações, Hélio Costa.
“Existe algum desconforto aqui na maioria dos senadores e é preciso ter clara a noção de que senador que nunca disputou uma eleição na vida não tem o mesmo desconforto. Para aqueles que nunca participaram de uma eleição, pensem três vezes antes de falar qualquer coisa sobre a opinião pública." Salgado ouviu a resposta do tucano calado e a discussão foi encerrada.

Nenhum comentário: