Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

18 de dez de 2007

Povo perde com fim da CPMF

*Waldo Ferreira
O Brasil perdeu com a não prorrogação da Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF). Perderam os brasileiros, sobretudo os mais pobres. Ganharam os ricos, que movimentam muito dinheiro e que, por isso, recolhem grandes quantias. Para a grande maioria dos contribuintes, pagar esse tributo (0,38% sobre a movimentação bancária) tinha pouco ou quase nenhum impacto.
Em compensação, a soma de tudo representaria no orçamento de 2008 quase R$ 40 bilhões. Uma quantia bastante considerável e de suma importância para a gestão da saúde, principalmente, mesmo admitindo-se que nem todo o volume desses recursos fosse aplicado para esse fim. Quem reclamou, fez pesado lobby e contou com a irresponsabilidade dos senadores, que derrubaram o imposto, foram os grandes empresários acostumados a sonegar e que, historicamente, se arrepiam com a simples idéia de distribuir renda. Eles também não precisam recorrer à saúde pública, cuja gestão é tão criticada.
Pois bem: agora, sem o dinheiro da CPMF, o governo vai ter que fazer malabarismos para tapar o buraco e evitar que o SUS, ou melhor, quem precisa dele, pague pelo rombo no orçamento. Em algum lugar vai faltar dinheiro. Outro fator para o qual ninguém está dando muita bola: a cobrança da CPMF era um poderoso instrumento para pegar quem tem grande movimentação bancária injustificada. Uma forma que o governo tinha de controlar a prática da corrupção, o tráfico de drogas e o crime organizado, que precisam lavar dinheiro.
Como se vê, não há como, de forma responsável, justificar o fim da Contribuição. Sua queda não se deu porque nossos nobres senadores estão preocupados com o bem da população ou indignados com a forte carga tributária praticada no Brasil. A motivação, que ninguém se iluda, é menos nobre.
*Jornalista

Nenhum comentário: