Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

8 de abr de 2009

Deputado do PPS paga doméstica Fofa com verba da Câmara. Isso porque o PPS diz ser um partido decente

No dia 3 de março, o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP) promoveu um jantar de lançamento da Frente Parlamentar Anticorrupção no seu apartamento em Brasília.
Na organização do evento estava a empregada doméstica Maria Helena de Jesus, que teve seu salário pago como secretária parlamentar de Jardim nos últimos dois anos e meio.
Para fazer serviços no apartamento de Jardim no bloco A da quadra 311 sul, ela recebe salário bruto de R$ 1.608,10. Dinheiro da Câmara. "Lavo, passo, cozinho", disse.
No jantar para 30 deputados que buscavam o rótulo de grupo de éticos, não cozinhou, já que o anfitrião pediu comida em um bufê. "Foi de repente. Não deu tempo de fazer nada.
" A frente surgiu em decorrência das acusações lançadas pelo senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) em entrevista à revista Veja e numa tentativa de o Congresso dar uma resposta às acusações de desvios éticos nos últimos meses.
O deputado licenciado Alberto Fraga (DEM-DF) também utilizava-se do mesmo expediente para pagar sua empregada - no caso, ela era contratada no gabinete do seu suplente, Osório Adriano (DEM-DF). Como Fraga não está no exercício do mandato, foi logo descartada a abertura de procedimento no Conselho de Ética. Jardim, por outro lado, ex-vice-líder do PPS, está no pleno exercício de seu mandato.
Jardim afirmou que, ao ler a reportagem sobre Fraga, decidiu exonerar sua empregada. Mas, por um acordo com ela, decidiu que sua saída será oficializada só na próxima sexta (10). "Pensei que ela pudesse não só ajudar esporadicamente no gabinete como também prestando serviço no apartamento. Quando eu soube que isso não era possível, eu a desliguei." Jardim disse não ver conflito ético no fato de a empregada ser paga com dinheiro público. "Do ponto de vista ético, não [vejo problema], mas, do ponto de vista regimental, vejo", afirmou. "Entendi que o cargo podia ser usado como apoio ao mandato parlamentar."
O deputado disse que ela presta esporadicamente serviços em seu gabinete, servindo café.
Maria Helena trabalha para deputados desde julho de 2004. Antes de Jardim, era secretária parlamentar fazendo serviços domésticos para o deputado José Chaves (PTB-PE). Em janeiro de 2007, mudou para o gabinete do ex-deputado Charles Lucena (PTB-PE), onde ficou um mês. Desde fevereiro daquele ano, está com Jardim. Conhecida como Fofa entre as amigas empregadas da quadra 311, ela ontem procurava uma nova "colocação".

Um comentário:

Anônimo disse...

Pera aí, mas o PPS não é o partido do Athos Avelino? Cadê a ética?