Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

22 de jan de 2009

Fidel quebra silêncio e elogia Obama

Ex-presidente de Cuba Fidel Castro elogiou a honestidade de Barack Obama, quebrando um silêncio de cinco semanas
Da BBC Brasil
Ao descrever seu encontro com a presidente argentina Cristina Kirchner, na coluna publicada no site Cuba Debate, Fidel comentou que conversou com ela sobre Obama e disse que “não tem, pessoalmente, qualquer dúvida sobre a honestidade com que Obama, o décimo-primeiro presidente desde 1º de janeiro de 1959 (data da Revolução Cubana) expressava suas idéias” no discurso da posse.
Mas ele afirma que “apesar das nobres intenções”, muitas perguntas permanecem sem resposta.
“Por exemplo, me perguntava: como poderia um sistema desperdiçador e consumista por excelência preservar o meio ambiente”, escreve Fidel.
O silêncio de Fidel havia despertado rumores de que a saúde do líder da revolução havia piorado.
Fidel Castro ressaltou ainda a importância histórica para Cuba de que dez presidentes passaram pela Casa Branca nos últimos 50 anos, mas que "apesar do imenso poder deste país (Estados Unidos) nenhum deles conseguiu destruir a Revolução Cubana".
O presidente de Cuba, Raúl Castro, já havia dito que está aberto ao diálogo com Obama.

Nenhum comentário: