Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

22 de jan de 2009

A BARBÁRIE SERVIDA NO CAFÉ DA MANHÃ

*Georgino Neto

"Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens?" Guimarães Rosa
A humanidade chega ao século XXI mostrando que aprendeu muito com o século que a antecedeu. Aprendeu a matar para se impor; aprendeu que a guerra é o instrumento mais eficiente da eliminação do direito à diferença, do direito à liberdade. Celebramos um novo milênio, assistindo, enquanto tomamos café da manhã (ou os que ainda conseguem fazê-lo), à barbárie instituída, à morte banalizada, o discurso opressor prevalente.
Por que não nos indignamos? Esta guerra não nos diz respeito? Está muito distante? Afinal, não pertencemos à mesma espécie, a desastrada espécie humana? Lembro-me de uma citação do Martin Niemoller, que bem ilustra o que desejo expressar: Primeiro, os nazistas vieram buscar os comunistas, mas, como eu não era comunista, eu me calei. Depois, vieram buscar os judeus, mas, como eu não era judeu, eu não protestei. Então, vieram buscar os sindicalistas, mas, como eu não era sindicalista, eu me calei. Então, eles vieram buscar os católicos e, como eu era protestante, eu me calei. Então, quando vieram me buscar... Já não restava ninguém para protestar. O massacre humano promovido pelo Estado de Israel e patrocinado pelo arsenal bélico dos Estados Unidos é algo perturbador. Não podemos nos acomodar diante do que nos mostram os noticiários. O Holocausto promovido por Hitler e sua horda nazista indicou a trilha a ser seguida, ou o caminho que jamais deveremos novamente tomar. E justamente um dos alvos mais perseguidos pelo ideário nazi-fascista é quem estabelece a força bruta e o extermínio em massa como instrumento de diálogo. Os milhões de judeus mortos pagaram com o sangue e a vida pela intolerância de um paranóico manipulador. A intolerância mudou de lado? O desejo de se impor justifica a morte de milhares de palestinos? Causou-me horror a declaração do ex-premier e atual presidente israelita Shimon Peres, ao dizer que "a força e a intensidade do nosso ataque fará com que acabe o apetite palestino de nos atacar". Será que alguém, em sã consciência, pode de fato crer em absurdo argumento? O temido 'ataque palestino', a que se refere Shimon Peres, matou quatorze judeus. Israel eliminou mais de mil palestinos. 1000 X 14. Este é o funesto placar da guerra imposta por Israel. A distância abissal do poder de fogo entre Israel e Palestina constrói um cenário imagético tenebroso. Crianças brutalmente assassinadas; outras, que sobrevivem, apresentam um olhar de perplexidade e temor que corroem a alma de qualquer bicho minimamente sensível. Vamos fechar os nossos olhos para tamanha desconsideração com o povo palestino? Como engolir o pão a cada manhã com tamanha injustiça atravessada na garganta? Sei que cada lado defende uma posição irreconciliável. Mas sinceramente, os meios não justificam os fins. Karl Marx já há tempos nos alertava, ao dizer que "Os homens fazem a sua própria história, mas não o fazem como querem... a tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos". É preciso repensar a rota que a humanidade traçou para si própria. Ainda há tempo de estabelecermos novos princípios, mais justos e mais fraternos. Como nos ensinou Che Guevara, "Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira".
Tomar consciência é o primeiro passo. Não nos indignamos muito por que desconhecemos. Quantos de nós sabemos o que se passa entre Israel e Palestina? Quais os motivos do conflito? Quantos de nós temos idéia dos verdadeiros massacres humanos cotidianamente vividos na África? Quantos dos nossos jovens se preocupam com isto?
A balada na Avenida. Sanitária, regada a uísque com energético, não teria mais muito sentido frente ao sofrimento extremo de boa parte dos nossos irmãos, palestinos, africanos, pobres, negros, mulheres e crianças, de todo o mundo. Irmãos sim. Pois quanto mais ignorarmos a nossa consangüinidade planetária, mais corremos o risco de vermos o nosso quintal transformado em uma Faixa de Gaza. Para mim, no fundo, o que vale mesmo, como regra e dever, são as palavras do poeta Thiago de Mello:

Estatutos do Homem


(Ato Institucional Permanente)
Artigo I Fica decretado que agora vale a verdade.
agora vale a vida, e de mãos dadas, marcharemos todos pela vida verdadeira.
Artigo II Fica decretado que todos os dias da semana, inclusive as terças-feiras mais cinzentas, têm direito a converter-se em manhãs de domingo.
Artigo III Fica decretado que, a partir deste instante, haverá girassóis em todas as janelas, que os girassóis terão direito a abrir-se dentro da sombra; e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro, abertas para o verde onde cresce a esperança.
Artigo IV Fica decretado que o homem não precisará nunca mais duvidar do homem. Que o homem confiará no homem como a palmeira confia no vento, como o vento confia no ar, como o ar confia no campo azul do céu. Parágrafo único: O homem, confiará no homem como um menino confia em outro menino.
Artigo V Fica decretado que os homens estão livres do jugo da mentira. Nunca mais será preciso usar a couraça do silêncio nem a armadura de palavras. O homem se sentará à mesa com seu olhar limpo porque a verdade passará a ser servida antes da sobremesa.
Artigo VI Fica estabelecida, durante dez séculos, a prática sonhada pelo profeta Isaías, e o lobo e o cordeiro pastarão juntos e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.
Artigo VII Por decreto irrevogável fica estabelecido o reinado permanente da justiça e da claridade, e a alegria será uma bandeira generosa para sempre desfraldada na alma do povo.
Artigo VIII Fica decretado que a maior dor
sempre foi e será sempre não poder dar-se amor a quem se ama e saber que é a água que dá à planta o milagre da flor.
Artigo IX Fica permitido que o pão de cada dia tenha no homem o sinal de seu suor. Mas que sobretudo tenha sempre o quente sabor da ternura.
Artigo X Fica permitido a qualquer pessoa, a qualquer hora da vida, o uso do traje branco.
Artigo XI Fica decretado, por definição, que o homem é um animal que ama e que por isso é belo, muito mais belo que a estrela da manhã.
Artigo XII Decreta-se que nada será obrigado nem proibido, tudo será permitido, inclusive brincar com os rinocerontes e caminhar pelas tardes com uma imensa begônia na lapela. Parágrafo único: Só uma coisa fica proibida: amar sem amor.
Artigo XIII Fica decretado que o dinheiro não poderá nunca mais comprar o sol das manhãs vindouras. Expulso do grande baú do medo, o dinheiro se transformará em uma espada fraternal para defender o direito de cantar e a festa do dia que chegou.
Artigo Final Fica proibido o uso da palavra liberdade, a qual será suprimida dos dicionários e do pântano enganoso das bocas. A partir deste instante a liberdade será algo vivo e transparente como um fogo ou um rio, e a sua morada será sempre o coração do homem.
Utopia? Pode ser. O que desejo mesmo, de verdade, é apenas tomar o meu café da manhã com a alma em paz.


*Georgino Neto é professor e militante do PC do B

2 comentários:

Anônimo disse...

Salve, Luís Carlos;

Fico feliz pela publicação do meu texto no seu blog. Tenho sempre acompanhado o seu embate virtual, e penso que devamos legitimar este espaço como um exercício da democracia. Promovamos o debate, meu amigo; e lutemos o bom combate. Só assim teremos uma justa esperança em dias melhores. Forte abraço;

Georgino Neto

Anônimo disse...

Lunga,
Agora é os judeus a bola da vez? O Bush sofreu nas mãos dos formadores de opinião e já temos um saco de pancadas para todos os males.Segundo José Simãos da folha,Deus entrou de férias e mandou o Obama resolver resolver todos os pepinos da terra,esperemos pois,Obama vai resolver.Aliás,tô com espinhela caida e já pedi para o Obama resolver este caso para mim.