Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

3 de jun de 2010

Ciro ainda poderá ser o vice de Dilma

Mesmo contrariado com o boicote a sua candidatura à presidência, Ciro afasta-se do cenário político aguardando o racha PT-PMDB


A máxima “Em política nada é impossível” poderá valer para a sucessão presidencial deste ano.

Ciro Gomes, que até quinze dias atrás declarava sua inarredável candidatura pelo PSB à Presidência da República, foi obrigado a conviver com o incômodo boicote de sua candidatura pelos integrantes de seu partido que preferiram a candidatura de Dilma Rousseff (PT).

Preterido, partiu para o silêncio, apenas com a imprensa, mantendo acesso direto à Dilma. O que vem possibilitando sua reintrodução na cena política da sucessão do presidente Lula.

Desde o crescimento da candidata do PT nas pesquisas eleitorais, o partido vem sucessivamente empurrando o PMDB para fora da aliança ate então negociada.

O PT amadureceu ao ser governo e conhece a maneira de negociar do PMDB. Sabe que o partido ficará unido só até conseguir o que pleiteia, neste caso, a vaga de vice na chapa de Dilma.

Depois, sob a alegação da independência regional, cada diretório tomará seu caminho.

Ao contrário do PMDB, que fica bem defendendo qualquer bandeira, o PT necessita comandar uma aliança dos partidos de esquerda com todas as lideranças unidas, para legitimar e dar credibilidade ao seu programa de governo.

Dia 7 de junho promete ser o principal dia para consolidação, ou não, desta possível aliança de esquerda.
Fonte: Novo Jornal

Um comentário:

Carlos disse...

Não chamarei essa hipótese de impossivel, mas acho bastante dificil.
Conheço o Ciro, ele já abaixou a cabeça mais que está acostumado.
Mas, como foi escrito, em politica o impossivel só demora mais um pouco, e a amizade dele com o Lula e com a Dilma me parece que não foi abalada...