Search

Compra de votos ou coincidências? - Onda vermelha - Bloco de esquerda e partidos de centro se fortalecem no Congresso - Lula, o preconceito dos poderosos e o complexo de "vira-latas" -Eleição termina em pancadaria em Fruta de Leite - Marina,... você se pintou? Câmara Municipal de Buritizeiro cassa mandato do Padre Salvador - Repercute suspeita de caixa 2 na campanha de Hélio Costa - Lula diz que imprensa brasileira gosta de publicar "notícia ruim" sobre o país - Bicheiro confessa que doou R$ 250 mil para o caixa 2 de Tadeu Leite - Diante das denuncias de corrupção e fantasmas na Prefeitura de Montes Claros, o jornalista Pedro Ricardo pergunta: Cadê o Ministério Púbico? - PT dá o troco no PMDB e abandona Hélio Costa - Caixa 2 pode inviabilizar campanha de Hélio Costa - Dilma dispara e abre 20 pontos - A nova derrota da grande mídia

25 de ago de 2009

"Bom reavivar a memória da nossa gente”

Invocando a frase acima, o candidato Fernando Collor atacou Sarney no horário eleitoral de 1989 e acusou o então presidente de apadrinhar acusados de corrupção.
“Político de segunda classe”, “cidadão de más intenções”, “irresponsável”, “fraco”, “omisso”, “um dos piores presidentes que o Brasil teve a infelicidade de ter”. O repertório de adjetivos utilizados pelo então candidato Fernando Collor de Mello para se referir ao então presidente da República, José Sarney, em horário nobre da TV, em 1989, é o mais novo sucesso da série “esqueçam o que eu disse” a correr pela internet.

Em pleno horário eleitoral, Collor acusava Sarney de tentar tumultuar o processo eleitoral para favorecer a candidatura do apresentador de TV Silvio Santos (que acabou barrada pela Justiça eleitoral) com o objetivo de se tornar um “ditador de opereta”.

As imagens e o áudio se deterioraram com o tempo, mas é possível identificar todo o teor postado, no último dia 4/8, por um usuário identificado como “Olhos da Eternidade” no YouTube. Confira:

Nenhum comentário: